quinta-feira, 16 de março de 2017

Médico ou Curandeiro?

Queria começar essa postagem chamando a atenção do Prefeito José Bonifácio: a situação na Saúde parece não estar tão boa. Não sei quem define as contratações de Médicos, Dentistas e Enfermeiros e outras áreas, mas, com certeza, é o Prefeito quem "bate o martelo", assinando os contratos e publicando no Diário Oficial do Município. Pessoas estão reclamando, por exemplo, do atendimento médico do Posto de Saúde da Lapinha. Saiu uma competente e dedicada jovem Médica e assumiu, recentemente, um jovem médico. Pois bem: uma funcionária da Prefeitura acordou com fortes dores e foi para o Hospital local. Não foi atendida por falta de médico. Dirigiu-se então ao Posto da Lapinha, que jurisdiciona sua região e foi informada que pela manhã, naquele dia da semana, só eram feitos atendimentos para portadores de Hipertensão e Diabetes. Mas, e a urgência? Não existem exceções? Foi aconselhada a voltar a partir das 13:00 horas. Fez isso e o jovem médico chegou às 15:30 horas. Quando chegou sua vez, sentou-se e disse o que estava sentindo. O jovem médico lhe pergunta: "O que a senhora toma quando sente dor"? A moça indignada, responde que não era médica e nem se automedicava! Que ELE é que era o Médico! Depois de prescrever um medicamento para ser usado ali mesmo no posto de saúde (eu NÃO usaria), pediu um atestado. Novamente o Jovem médico disse-lhe que só daria o Atestado de Comparecimento. O Atestado de Afastamento só com Dr. João Neto, que vem a ser o Perito da cidade! A minha sugestão para o Prefeito José Bonifácio então é que o Dr. João Neto seja contratado para atender, além das pessoas que ele muito profissionalmente atende, também estender esse serviço aos funcionários da Prefeitura! Fico a imaginar um funcionário que sofre algum tipo de acidente, vai transferido para Salvador, mas o Atestado de Afastamento tem de ser dado pelo Perito de Mairi! Das duas, uma: ou o jovem médico não se garante ou recebeu instruções para negar esse tipo de Atestado. O grande problema é que o funcionário que se sentir lesado ou prejudicado, pode sim procurar o Ministério Público, fazer uma perícia e provar que necessitava realmente do afastamento temporário. Numa gestão não muito distante, outro Prefeito, amigo meu, numa carona de Capim Grosso pra Mairi, após 5 ou 6 meses de mandato, perguntou-me o que eu estava achando da sua administração. Respondi-lhe que tivesse cuidado com as escolhas das pessoas para cargos importantes e que pudessem tomar decisões idem. Disse-lhe também que pessoas do seu círculo restrito estavam de certa forma, sabotando sua administração. Perguntou-me: "É mesmo"? Pedi-lhe então para que prestasse atenção. Pelo visto, não acreditou. Acabou ferrado. Ainda lembrarei a ele aquela nossa conversa daquela viagem. Não nos faltará tempo. Portanto, Prefeito José Bonifácio, tenha cuidado com as suas escolhas. Não sou alarmista nem especialista em coisa nenhuma. Mas sabemos que uma escolha mal feita pode jogar por terra todo um trabalho meticulosamente estudado e com tudo para dar certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário