sábado, 6 de setembro de 2014

"...Só se vê no Brasil"!!

Existem coisas tão fascinantemente absurdas que só são encontradas no Brasil: Ministro do Supremo, formado em Direito por uma faculdade meia bôca, que entrou no Tribunal de Justiça do seu Estado pela porta da escada de incêndio, aproveitando um descuido dos que saiam e que virou, finalmente, ministro da mais alta Corte por indicação de um antigo patrão. Outro, que também virou ministro dessa mais alta Corte, nunca foi aprovado num concurso para Juiz, mas por servir a esse mesmo patrão também ganhou sua cadeira nessa mais alta Corte. Começo a acreditar que essa tal "mais alta Corte", com raríssimas exceções, está se transformando ou já se transformou, num depósito de "Sanchos Panças", que servem a um Quixote caolho e mal intencionado. E se mais uma luz se acender (e Deus queira que não) no "poste", teremos no mínimo mais cinco "Sanchos" a servirem ao seu "Dom"! Aí vai tudo pro brejo, de "mala e cuia"! Vejam mais esse artigo do Augusto Nunes, de Veja:

10/12/2009
às 1:01 \ Direto ao Ponto

Radiografia de uma fraude (4): o país em que Dilma vive tem até trem-bala

Num dos incontáveis comícios promovidos para celebrar o bom ritmo de obras que nunca ficam prontas, o presidente Lula informou que o trem-bala prometido para aquele ano teria de esperar um pouco mais. ”É uma coisa muito grande, mas está tudo mais ou menos encaminhado e a licitação vai ser feita em outubro”, avisou em 26 de abril de 2008.
De onde viriam os R$ 9 bilhões que serão engolidos pela maravilha ferroviária ligando o Rio a São Paulo e Campinas? Lula replicou com um sorriso superior e outra bazófia:  “Neste momento, a companheira Dilma está no Japão e na Coreia mostrando o projeto para países mais ricos e empresas que têm tecnologia, a fim de participarem junto do consórcio de empresas brasileiras”. Era esperar pela viagem de volta e correr para o abraço.
A licitação prometida para outubro, que permitiria ouvir o apito na curva até o fim de 2012, já completou dois anos de inexistência. Como não se constrange por tão pouco, Dilma se orgulha do monumento à modernidade ainda no papel. Neste dia 4, baixou em Berlim para prosseguir a missão iniciada no Japão e na Coreia. Pronta para embarcar num trem-bala alemão, transferiu a viagem inaugural do similar brasileiro para 2014.  “Antes da Copa do Mundo do Brasil”, animou-se.
A coisa demorou, mas em compensação ficou maior, soube o país na continuação da discurseira:  ”A gente exige transferência de tecnologia, porque esse é o primeiro trem. Você tem outras possibilidades de construção de trens de alta velocidade no país”. Em seguida, Dilma presenteou com trens-balas também os eleitores de Curitiba, Brasília e Belo Horizonte. Por enquanto.
O Brasil real não conhece nenhuma obra notável concluida pela ministra. O Brasil em que Dilma caça votos inaugura um deslumbramento por mês. Lá a vida é uma beleza. Lá se vive como rei. Lá a pobreza é uma lembrança tão longinqua, tão remota que os pobres já nem se lembram dos tempos em que faltava dinheiro para comprar passagens de avião. Lá há aeroportos de sobra, e só São Paulo tem três.
O terceiro começou a tomar forma em 20 de julho de 2007, quando Dilma  descobriu como acabar com apagões e desastres.  “Determinamos a construção de um novo aeroporto e os estudos ficarão prontos em 90 dias”, pisou fundo já na largada da entrevista coletiva, caprichando no plural majestático. ”Estamos determinando que a vocação de Congonhas seja de voos diretos, ponto a ponto”.
Como conexões e voos internacionais seriam banidos de Congonhas ”em 60 dias”, não havia tempo a perder. Nenhum detalhe escapara à astúcia da Mãe do PAC.  ”Tivemos de tomar precauções sobre a área de segurança ao redor do aeroporto”, exemplificou. Onde seria construído o mais confortável e mais seguro aeroporto do planeta?, excitaram-se os jornalistas. “Não sabemos onde será e, se soubéssemos, não diríamos”, ensinou a superexecutiva a serviço da pátria. ”Jamais iríamos dizer isso para não sermos fontes de especulação imobiliária”.
Passados dois anos e meio, Congonhas e Cumbica continuam onde estavam:  à beira do colapso. A tia do terceiro aeroporto mudou de rosto e de status: é a sucessora que Lula escolheu. O que continua é a farsa que se arrasta há mais de 30 anos. O Brasil que pensa já sabe que lida com um Pacheco de terninho. Falta rasgar o que resta da fantasia.
Sem saber atirar, Dilma Rousseff virou modelo de guerrilheira. Sem ter sido vereadora, virou secretária municipal. Sem passar pela Assembleia Legislativa, virou secretária de Estado. Sem estagiar no Congresso, virou ministra. Sem ter inaugurado nada de relevante, faz pose de gerente de país. Sem saber juntar sujeito e predicado, virou estrela de palanque. Sem ter tido um só voto na vida, virou candidata à Presidência.
O Brasil anda muito estranho. Tão estranho quanto Dilma Rousseff.

Nenhum comentário:

Postar um comentário