domingo, 22 de junho de 2014

Embasa produz "Energia Eólica"?

A cada dia que passa as empresas estatais da Bahia me enchem de orgulho! Isso sem falar nos órgãos da Administração Direta como as secretarias, por exemplo, que "dignificam" o baiano! Temos uma Secretaria de Saúde que oferece aos clientes serviços de "primeiro mundo"!! A Secretaria de Segurança Pública faz o baiano se sentir na Suécia  e a Secretaria de Educação transforma-nos, praticamente, em sul-coreanos ou holandeses. Através de programas como o Faz Cultura, enche as cidades do estado com a "cultura" do momento como nesse São João, por exemplo, onde as cidades produzem decorações lindas e temáticas como em Mairi, e, juntamente com alguns administradores empurram por nossas goelas os arrochas e sertanejos universitários(??)da vida, numa postura clara de quem quer dar   realmente o circo, optando assim pelo Modismo, em detrimento da verdadeira Cultura. É muito lamentável que a manutenção das manifestações culturais estejam caminhando para o abismo. Voltando às estatais, quero parabenizar com veemência a nossa Embasa: justamente no São João onde a cidade recebe milhares de pessoas, não cai água já há alguns dias. E não estão nossos reservatórios com o nível comprometido. Pelo contrário, alguns receberam muita água por conta das últimas chuvas. Mas, no que diz respeito ao abastecimento de água ela é imbatível! E está desenvolvendo tecnologia própria para concorrer com as usinas que produzem energia eólica, com a novidade de não necessitar daqueles gigantescos "ventiladores" que vemos instalados no alto das serras do Estado. Além de não "poluir" o visual a matéria-prima é gerada sem nenhum custo para a empresa. Explico: participei de uma força-tarefa em Jacobina recentemente e a minha equipe ficou, dentre outros itens, com a responsabilidade de monitorar a captação, tratamento e distribuição da água nos municípios da macro. Em contato com um engenheiro responsável pela manutenção  das adutoras de três cidades, o mesmo nos afirmava, categoricamente, que a intermitência no fornecimento de água por parte da Embasa, é extremamente lucrativo. Ressalvou que em tempos de escassez se faz necessária essa interrupção para, claro, poupar. Mas, se os reservatórios estiverem com seus níveis normais ou em patamares que não comprometem, essa interrupção chega a ser criminosa. Segundo ele, e já percebemos isso, quando há interrupção, todo sistema se enche de ar. Aí, quando abrimos a torneira e ouvimos aquele barulhinho decepcionante de "vento saindo", o hidrômetro gira com a mesma velocidade quando tem água, gerando assim consumo para o cliente. O engenheiro alertou ainda que, se em trinta dias a água cai de cinco em cinco, você tem uma quinzena completa de "vento" nas torneiras. Daí o lucro exorbitante e desonesto da empresa do governo da "Terra de todos nós"! Por isso achei que a Embasa está vendendo matéria-prima para a produção de Energia Eólica. Só que os "compradores", antes de serem beneficiados, estão sendo literalmente roubados. Pode ser que a "inspiração" dessa novíssima tecnologia tenha vindo da transposição do Rio São Francisco, onde o necessitado até agora só fez pagar a conta. É o "recebimento" dos tais Royalties, só que ao contrário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário