quarta-feira, 28 de maio de 2014

Por quê não nos levam a sério?

Todo mundo sabe que o Brasil é o maior comprador mundial de motos e que a concessionária com maior número de vendas das motos BMW fora da Alemanha, está localizada em São Paulo. O segmento de motocicletas nunca esteve tão agitado: a Ducatti, a MV Agusta, a Cagiva, a Aprilla, italianas, estão se instalando aqui no Brasil, de olho nesse promissor mercado. Kawasaki, Suzuki, BMW e a inglesa Triumph, também já se instalaram por essas terras tupiniquins. Por fim, a lendária Harley-Davidson desembarcou no Brasil. De dez anos para cá o Salão de Duas Rodas, realizado anualmente em São Paulo, tem mostrado às montadoras que aqui modelos luxuosos e caros também têm compradores certos. Por isso a Harley trouxe em 2014 o "Projeto Hushmore", onde os consumidores da marca meio que sinalizam como querem os produtos HD. A estrela do projeto é a  Ultra Limited. Bela, potente e imponente. A Revista Motociclismo, de maio/2014, recebeu um exemplar desse modelo para um superteste de 1000 quilômetros. Segundo o piloto/colaborador Laner Azevedo, que "brincou" com a luxuosa HD, a máquina é fantástica! Tudo bem: luxo e requinte tem seu preço. A moto custa em torno de R$-80.000,00 (oitenta mil reais), o que a distancia da maioria dos mortais. O problema é: será que os modelos que são vendidos no berço da marca, Estados Unidos, e na Europa, são os mesmos modelos comercializados aqui? Sabemos que os motores que "bebem" da nossa "água" têm de passar por ajustes. Tudo bem! Mas, como justificar que a tela de LCD que dá todas ou quase todas as informações da moto permita a infiltração de água? Como justificar que, antes do fim do teste dos mil quilômetros, o descanso lateral se quebre? Como aceitar que a buzina "morra"? São itens que não recebem atritos ou calor excessivos!! Dá pra imaginar que, antes da primeira revisão de uma moto que custa quase cem mil reais você possa ficar impedido de colocá-la no "descanso lateral" quando parada, ou ainda, esperar a chuva passar para seguir viagem porque a tela que tantas informações importantes disponibiliza, não pode tomar chuva pra não "entrar água" literalmente? Como fazer para mostrar que você está chegando perto de um grupo de desavisados se a buzina pifou também? Não creio, sinceramente, que em outros mercados que se respeitam, as montadoras de motos ou outros veículos sejam tão negligentes ou, se preferirem, displicentes! Enquanto nós, consumidores brasileiros, não nos dermos conta do poder que temos, vamos continuar sendo tratados como idiotas ou deslumbrados, infelizmente.



Nenhum comentário:

Postar um comentário