terça-feira, 22 de abril de 2014

"Bênça Padim, me dê dez"!!

Existem situações que dispensam palavras e palavras que não conseguem descrever, fielmente, situações! Após ter passado por momentos de intensa angústia, devido aos problemas acontecidos na cidade do Salvador e na minha rua, finalmente chego a Mairi! Imaginei descontração ao lado dos meus familiares, brincadeiras com D. Chuvisco, um pouco de música talvez, que nada: recebo a notícia do falecimento de uma grande amigo. Aliás, mais que amigo! Porque fizemos nossa aquela velha rotina dos afilhados que encontram seus Padrinhos na rua: "Bênça Padim...!! Me dê dez"!! sempre que nos encontrávamos as gargalhadas eram inevitáveis! Como bonachão que ele era, não perdia a vez e respondia: "Deus lhe abençoe...! Depois lhe dou dez"!! Assim era meu "padrinho" Vavinho! Por conta da Professora Lourderice ter sido efetivamente minha Madrinha de casamento, ficou entre nós três a brincadeira da Bênção. Lourderice, com motivos para dizer "Deus te abençoe, meu filho...", e Vavinho com motivos para darmos boas risadas. O seu corpo foi velado na sede da Maçonaria. Nunca havia presenciado uma cerimônia fúnebre, organizada por eles. Bonito, se podemos dizer assim de uma ocasião dessas! E novamente me vem a tristeza: será que minha Semana Santa não pararia de me trazer surpresas desagradáveis? Já não chegava a morte de Cristo que até hoje emociona o mundo? Sem querer comparar os dois, Vavinho e Cristo, até pra não levar pedradas dos mais fanáticos, pelo menos em algumas coisas eram iguais: filhos de Deus e com corações capazes de amenizar as dores do mundo, embora a denominação "mundo" seja, claro, relativa para Eles! Quando acompanhava a cerimônia na Loja de Mairi, dei-me conta de que convivi esses anos todos com ele e não sei ainda o seu nome de batismo!! Pode? Confesso que fiquei meio envergonhado com essa constatação, mas depois acalentei-me com outra pergunta: "quantas pessoas que conheço nome e sobrenome e que não despertam nenhum sentimento de admiração? O que importa o nome se bastam os apelidos para você virar "afilhado" e "padrinho" por pura consideração, admiração e respeito"? Depois disso me acalmei. Quando o cortejo saiu, observei de longe minha querida Madrinha Lourderice e pude ver o quão abatida ela estava. Afinal, foram décadas de convivência companheira e cúmplice, de dar inveja como outros casais que conheci, como, por exemplo, meu amigo Flamarion e sua esposa, Eurides, falecida recentemente. Pra mim, dois exemplos de Amor Eterno! Portanto, "Bênça Padim Vavinho!! Hoje lhe dispenso os "dez". Não saberia o que comprar com eles"! Certamente que os Irmãos de Luz o conduzirão ao encontro da Luz Divina. É..., decididamente, essa não foi uma santa semana para mim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário