segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Considerando o "considerável..."

Isso não pára nunca: alguns homens se gabam de fazer as mulheres implorarem por um pouco de si!! Algumas mulheres bradam aos quatro ventos que os homens "são uns tolos e que são facilmente engabelados..."! Como sempre fui meio reservado nesse assunto de "quem domina quem", considero alguns pontos que me pareceram esquecidos por aqueles que insistem nessa "guerra dos sexos" tola. É preciso entender ou separar as coisas: 
Primeiro: Por que gratuitamente você espezinha seu companheiro ou sua companheira, fazendo-o(a) submisso(a) pura e simplesmente? Onde está o prazer em "anular" o outro? Se o nome da coisa é RELACIONAMENTO, onde está a graça de MANDAR? Nessas situações acho que não há o menor sentimento de partilha, de cumplicidade, de afeto;
Segundo: Por sermos um País idiotamente machista, por que ainda hoje encontramos esposos que não admitem que a esposa trabalhe fora, mesmo passando a minguados? Será que não descobriram que a traição pior é a fantasiada? E desde quando alguém impede que o outro traia? O máximo que pode acontecer é o aguardo do momento certo;
Terceiro: Quem é o DOMINANTE, o homem ou a mulher? Já vimos no Reino Animal  que o vagabundo do leão é o maior gigolô! A fêmea que se vire para caçar para si e para o fdp! E ainda tem mais: ela traz a caça inteira, deposita-a aos pés do sacana e só depois de se fartar, o que sobrar está liberado! Pode? Alguns homens também fazem assim. O mais engraçado é que, quando querem, as mulheres dão um banho de esperteza e inteligência, dobrando o mais bravo dos "guerreiros". E isso só acontece porque a mulher tem o dom da maternidade e a própria Natureza a dotou de paciência infinita. O homem é afobado e imediatista: "vou dar o troco e é agora!!" Normalmente nunca param para pensar. A mulher identifica o problema, coloca numa tigela para "dessalgar" calmamente, para depois, com calma e pensamentos arrumados, agir. E normalmente quando a mulher resolve "agir" sai da frente que o tombo é grande!! Então, quem é o Dominante dos seres humanos? E se o coitado está carente de um chamego regado a sexo, danou-se!! Aí, de Dominadora passa também a Predadora. Mata o cara mesmo! Essas considerações são um reflexo de um livro de Aluízio Azevedo, intitulado Filomena Borges, que estou lendo. Pense no domínio total e absoluto sobre uma pessoa que, segundo o autor, sequer se masturbara uma única vez em seus 40 anos de vida: seu esposo, João Borges!! O cara não bebia, não ia aos cabarés da época, não saía à noite, dormia 7 horas toda noite, nunca passava das 11 horas para se recolher, bonachão, atencioso com as pessoas menos favorecidas uma vez que era rico, etc. Um homem perfeito que qualquer mulher adoraria ter como esposo. Mas não Filomena Borges!! A paixão que despertara no João Borges foi tão grande que o cara se desfez do seu melhor amigo, Urso, um cão São Bernardo, passou a usar rendinha na cabeça e brilhantina, fizera a barba fina de anos, deixou crescer bigode e começou, por imposição da esposa, a fumar charutos e teve de aprender a dançar valsa e montar um teatro em casa onde também tinha de atuar!! Tudo isso sob a promessa de que se se comportasse, ele conseguiria "abrir seu coração e o ferrolho da porta do quarto do casal!" Isso mesmo: vários meses de casados e o máximo que conseguiu foram uns poucos beijinhos na mão e na testa da esposa!! Meu ponto de vista: se fosse "experiente" (tô me segurando pra não falar besteira!!) pegava essa cabrocha de jeito e eu queria ver. Ela, pobretona. Ele, rico!! Onde já se viu? Como disse um matuto contando como fora sua lua de mel: "... E aí, peguei a Dita (Benedita), acunhei que foi caco de cabaço pra todo lado"!! Enquanto na sala principal da casa do despachado esposo da Dita, seu irmão, estudado, que casou no mesmo dia e viajaram juntos, há três horas estava descrevendo a sua lua-de-mel, sem sequer ter descido do navio ainda! Enumerou todos os portos por onde passara com a amada e os curiosos se roendo para saberem o que de fato queriam saber. Se é pra contar o que as ansiosas visitas querem saber, que seja eloqüente, então.

Nenhum comentário:

Postar um comentário