quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Cadê as Mulheres?

Nos últimos dias as bandas de pagode da Bahia saíram dos shows para as páginas policiais. Ruim. Muito ruim. Não bastasse a música de gosto absolutamente duvidoso, agora vem o comportamento pessoal de cada integrante dessas tais bandas: um, quebra um quarto de hotel no Sergipe; outros, são acusados de pedofilia e tentativa de estupro também no Sergipe e, por fim, outra que está presa em Ruy Barbosa, onde seus integrantes são acusados de estupro e tiveram as prisões em flagrante. O que leva as pessoas a perderem a noção do certo e errado? E vale para os homens e as mulheres. Principalmente as mulheres, no caso das bandas pagodeiras. Não consigo entender como uma música(??) que repete centenas de vezes "...bata nela, bata nela, na cara dela, na cara dela...", ou ainda "Pare de me ligar/Isso me irrita/Quer me rastrear/Bote um chip na minha p..." Isso eu ouvi em Jacobina num show da banda A Bronca. O pior é que as pessoas ouvem e dançam com a maior naturalidade!! Já se eu solto uma "pôrra!" pra desabafar, um pai mais "zeloso" que está com sua filhinha de 5 ou 6 anos vestida de Carla Perez, me repreende com firmeza. Mal sabe ele que sua inocente criança está por ele mesmo sendo preparada para ser "traçada" ainda na menor idade por um desses "artistas"! A educação, que outrora os filhos recebiam da família, agora a recebem dos guetos, becos e ruas, com todos os desvios possíveis, fazendo dessas futuras meninas potencial compradoras de ingressos para os shows de pagode. Fico observando a fraca aceitação da velha e boa seresta, MPB e música de raiz em bares por toda cidade. É fraca. Muito fraca. Na minha rua tem um rapaz que faz um som de barzinho de altíssimo nível e o público é sempre reduzido. Apenas quem tem bom gosto. Agora, mesmo sendo um cd de pagode baiano, aí a libido sobe junto com o efeito da cerveja e vemos mulheres fazendo verdadeiros streep tease, mostrando, não raro, as calcinhas! Feias e com banha derramando por todos os lados da calça de cós baixo, numa visão dantesca. E sobem e descem, "ralam a tcheca no chão" sem o menor pudor. São chamadas de "cachorras, cadelas, ordinárias, maínha, etc" e outras aberrações mais, a exemplo de "tome e chupe o pirulito do negão, ão ão ão!" Não tem como não comparar com as cadelas que mandam os cães fazerem fila quando no cio. Só que as "cadelas caninas" não têm culpa do nome: fomos nós, sociedade hipócrita,  que o inventamos. Acho até que as pobres de quatro patas estão num patamar mais elevado em termos de decência. Reparem que a cadela canina está sempre sozinha com seus "pretendentes". Já a "cachorra humana" está em bando, caçando e disputando vez e quando com baixaria, um possível pretendente de gosto também duvidoso. Não se respeitam. Me pergunto se fosse solteiro, como faria para arrumar uma namorada... Que dança eu iria dançar: arrocha? Pagode? Sertanejo Universitário? Não! Não dançaria. E perderia a oportunidade de ter uma Mulher entre meus braços, corpos colados e sentir o ziper da calça apertando pela reação do que não precisaria mostrar tão vulgarmente como hoje fazem. Portanto, Mulheres (sejam maiúsculas mesmo!!), voltem a ser sensuais sem serem vulgares; voltem a pedir que sejam chamadas de "maínha" na hora gostosa da união de dois corpos em pleno consenso!! Voltem, por favor, a serem chamadas de "gostosa" quando estiverem com seu parceiro atingindo o ápice do prazer, fazendo todo o Universo sentir a energia maravilhosa e cúmplice que dos corpos emanam!! Por favor, sejam apenas MULHERES, e não "cachorras"!! Vocês não merecem isso! Um beijo para as MULHERES.

Nenhum comentário:

Postar um comentário