quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A Paixão que Aprisiona!

A política nem começou direito em Mairi e já produziu seu primeiro episódio lamentável! Tivemos ontem à noite a apreensão de um carro de som. Tudo isso aconteceu porque o proprietário do veículo, excelente locutor e grande figura mariense, nesses períodos eleitorais se transforma completamente, tornando-se absolutamente distante daquela pessoa  de conversa mansa e agradável, de humor elevado e sempre brincalhão. Essa transformação nada mais é do que o fruto de uma árvore que imaginava extinta no Século XXI, chamada "paixão partidária". De há muito sabemos que as "paixões" nunca foram "amores", por serem destrutivas e nocivas a nós mesmos. Quando se trata de paixão partidária ou religiosa, essa prisão ou escravidão se torna mais nociva ainda porque, ao contrário do que imaginamos poder conseguir, sempre nos tiram o que de melhor há em nós: a sensatez! Viramos fanáticos! Voltando um pouco no tempo, lembro-me da primeira vez em que Wilson Mascarenhas foi candidato a prefeito de Várzea da Roça e que seu adversário, em comícios mais que inflamados, tentava denegrir a sua imagem com os piores adjetivos que se pode imaginar. E a tentativa de destruição não era da imagem política de Wilson mas sim da imagem de homem, de pai de família, de pessoa mesmo. Parabenizei-o porque, sabendo das agressões, Wilson tomou outro rumo de discurso: elogiava sempre o homem honrado que seu adversário era e não tocava no assunto das agressões, ignorando-as por completo, pelo menos em público. Isso é agir com acerto! Meu querido amigo e locutor exaltado se esquece que há apenas quatro anos o candidato que ele hoje ataca era o melhor administrador do mundo e sua irmã (do candidato) a melhor Secretária de Saúde do Brasil, gritado a plenos pulmões! Meu amigo também se esqueceu de um princípio fundamental da democracia: o direito que todos temos de mudar de opinião, de ponto de vista, etc.,  sempre que nos convencem do contrário! Foi assim que aconteceu com o candidato Dr. Raimundo Dentista: democraticamente buscou novos horizontes onde a ideologia do partido que hoje ele preside tem identidade mais forte consigo do que a ideologia do PMDB, partido que o elegeu por duas vezes consecutivas. Isso é mais que salutar! Isso permite que nos libertemos de possíveis amarras que essa ou aquela sigla possa nos impor. O atual prefeito continua no PMDB porque ele acredita na proposta do seu partido. Certamente que se amanhã essa proposta não for condizente com sua ideologia ele buscará novos horizontes. Isso se chama Democracia. Vemos hoje tantas alianças que num passado recente consideraríamos bizarras sendo firmadas! Convido meu amigo a repensar, democraticamente, sua atuação como comunicador, para que possamos tomar o exemplo de Wilson Mascarenhas e mantermos a campanha desse ano num nível pelo menos tolerável. De baixaria já tivemos de sobra as seções da nossa Câmara de Vereadores nesses últimos três anos e meio. Vale lembrar que paixão nem entre um homem e uma mulher é salutar. Só produz sofrimento e a certeza de se perder a liberdade, anulando-nos por completo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário