quinta-feira, 21 de junho de 2012

O Adeus (precoce) ao Craque!

Mairi, junho de 2012, vários meses sem chover, flagelo por todo lado, festas que estavam escritas para não acontecerem e, justamente às vésperas do São João, uma notícia que certamente deixou os mairienses mais tristes ainda: o falecimento de um dos maiores craques do nosso futebol, uma das pessoas mais envolvidas com o esporte local e que tive a honra de tê-lo como Professor de Educação Física na CENEC. Fora dos campos e quadras, uma pessoa extremamente viva, alegre, brincalhona e que, até quando seu time perdia, após a raiva natural, ele conseguia quebrar a tristeza que envolvia toda a equipe. Correto, justo e às vezes temperamental, principalmente se alguém estava sendo desleal. Isso valia tanto para os árbitros quanto para os adversários que, não raro, ficavam desconcertados com seus dribles pela esquerda que os faziam, quase sempre, ficar sentados. Atuou também como árbitro de futebol de salão. Sempre conhecedor das regras, fazia questão de mostrar na prática, como funcionavam. Como o Professor Telê Santana fazia no São Paulo. Lembram? Ou seja, largava o apito e entrava no "baba"! Claro! Todo craque é viciado em bola! Estou falando de CARLOS AFONSO NUNES SENA, nosso querido Afonsinho! Essa é outra enorme lacuna que se abre no esporte da nossa cidade, a exemplo de outros craques como Datinho e dirigentes como Alício Leal! Afonsinho, acostumado a aplicar dribles desconcertantes, tomou o único drible desconcertante da sua vida: um mosquitinho com ares de torcedor "alvinegro", meramente por causa da sua cor,  segundo informações de amigos do craque, deixou deitado o grande driblador. A diferença dos dribles de Afonsinho é que os adversários só morriam de raiva por alguns minutos. No caso dele, infelizmente, morreu de verdade. Usando as suposições levantadas por amigos seus de que foi a maldita dengue hemorrágica, pergunto: por que isso ainda acontece? É natural que cobremos dos governantes pessoal e equipamentos para fazerem a desinfestação do mosquito "alvinegro" na nossa comunidade. Tenho a informação de que são necessários 14 (quatorze) casos confirmados de Dengue para que a 16ª Dires, com toda má vontade da sua diretora, libere o "carro fumacê". A pergunta é: se tivermos 13 (treze) casos confirmados e se esses casos evoluírem para o quadro hemorrágico, obedecendo às esdrúxulas instruções da Diretoria de Vigilância Epidemiológica - Divep e 16ª Dires, então não poderemos solicitar o fumacê porque não atingimos os famigerados 14 (quatorze) casos? Quem avalia a necessidade de desinfestação no município, a Divep, a 16ª Dires ou a Secretária de Saúde daquele município? Gasta-se tanto dinheiro falando em "Prevenção"!! Prevenção do quê? É preciso deixar que alguém morra de raiva para que comecemos a vacinar nossos cães e gatos? O engraçado é que esse paradoxo existe! Todo ano tem vacinação para nossos amigos de quatro patas! Acho que essa lógica dos 14 (quatorze) casos é uma enorme constatação de que os gestores de saúde pública no Brasil não estão nem aí. Já que falamos dos governantes, e nós, povo/comunidade, estamos fazendo também a nossa parte? Tenho a informação de que Afonsinho prestigiou a última Feira do Licor de Mairi no início do mês. Se usarmos o tempo em que a Dengue leva para de fato se manifestar e a data do óbito, pode muito bem ter acontecido a contaminação de Afonsinho em Mairi, onde vários casos do tipo 4 estão confirmados ou aguardando laudos!! Por negligência geral teremos amanhã, às 10:00hs da manhã, que dar o último adeus ao craque e ser humano que tanto fez por Mairi. Será esse nosso último adeus pelo mesmo motivo? 
Adeus Mestre e que os Irmãos de Luz o conduzam em direção ao Altíssimo!!

2 comentários:

  1. Eu, em nome da minha família, agradecemos pelas sábias e verdadeiras palavras.Ainda estamos sem acreditar como pode um infeliz mosquito fazer um estrago tão imenso em nossas vidas.
    Aproveito para agradecer a todos que estiveram conosco nesse momento terrível .
    Veruska Sena

    ResponderExcluir
  2. neusa maria sena costa26 de junho de 2012 18:29

    eu, Neusa ,como filha de afonsinho (CARLOS AFONSO NUNES SENA), sentindo imensamente a morte do meu pai, quero agradecer por essa homenagem a ele, ainda com o meu coraçao em pedaços, sem acreditar que tudo isso é verdade, que um simples musquito que com um bater de maos posso mata-lo, ele destruiu a vida de meu pai em apenas 5 dias, tirando toda a alegria dos familiares, deixando um vazio imenso, um buraco nas nossas vidas, que em nome de Jesus iremos nos recuperar e lembrar so das boas lembranças que ele deixou, obrigado mais uma vez, e agradeço tb a todos que oraram e estao orando para nosso pronto restabelicimento, em nome de Jesus amem!...

    ResponderExcluir