sexta-feira, 27 de abril de 2012

"Pense num Absurdo..."

É triste a constatação de que políticos descarados, eleitos por um povo idem, não estão nem aí para o seu "Admirável Gado Novo!" O Hospital Deputado Luis Eduardo Magalhães de Mairi (BA), está se superando em desserviços prestados à população. Uma paciente grávida e muito próximo de completar os nove meses de gestação, ao fazer mais um pré natal, foi aconselhada pela enfermeira do PSF a procurar o HDLEM para que o médico avaliasse a possibilidade ou não de fazer uma cesariana. De posse do relatório a parturiente foi informada pelo tal médico que não existia Anestesista no hospital e que ela "procurasse a enfermeira do posto para transferi-la" (?!) Uai, desde quando Enfermeiro tem a competência de determinar quem ou não deve ser transferido? O hospital de Mairi, que atende a municípios da vizinhança e inclusive alguns distantes como Tapiramutá, por exemplo, não tem ambulâncias. Aliás, tem: 02. Uma está há mais de um ano fora do município para reparos. A outra, segundo um funcionário do HDLEM, necessita apenas da substituição de amortecedores para funcionar normalmente. DOIS AMORTECEDORES!! Para um hospital daquele porte chega a ser vergonhosa a desculpa para a falta das ambulâncias. A parturiente foi transferida numa ambulância da prefeitura só depois da intervenção enérgica da Secretária de Saúde do Município. A cesariana foi feita no Hospital da Mulher e mãe e filho passam bem. Ainda bem! O problema é que o hospital parece fazer "corpo mole" para atender pacientes considerados "do município", numa clara evidência de retaliação política, já que a referida Casa de Saúde ou melhor, Curral Eleitoral, "pertence" ao Sr. Daniel Almeida. Isso se torna mais evidente quando uma parenta do deputado sai pedindo currículo às pessoas, oferecendo emprego na instituição de saúde. A paciente em questão teve seu problema resolvido e com final feliz. Mas, e se acontece o pior? Em Várzea da Roça familiares de uma dona de casa ameaçaram invadir o hospital local para tirar satisfações com um médico que, segundo moradores daquela localidade, barbeirou feio na prescrição de um medicamento injetável o que ocasionou a morte da paciente dez minutos depois, pulou o muro da instituição e fugiu! Por que será que o Doutor fugiu tão covardemente? Lembrando aquela máxima de um ex Governador, "pense num absurdo, acontece na Bahia!!" Nesse caso específico, acontece em Mairi e outros municípios. Aliás, se pensarmos bem chegaremos à conclusão de que os absurdos são cometidos por nós mesmos. Fiquemos alertas porque em outubro desse ano e em 2014 não poderemos cometer mais "absurdos". Se liga!!

Uma reflexão escrota, mas real!

Amigos meus, vejam só o que me enviaram e não pude deixar de compartilhar com "usteds", por concordar em gênero, número e grau:





**Hoje, refletindo sobre o efeito do nada sobre o porra nenhuma, me dei conta de que o Brasil é o único país do mundo que foi:**

**a) governado por um alcoólatra que instituiu uma lei seca; **

**b) um analfabeto que assinou uma reforma ortográfica;* *

**c) tem um filho formado em porra nenhuma, que é o gênio das finanças, e**

**d) teve a cara de pau de pedir a Deus para dar INTELIGÊNCIA a Barack Obama, que é formado em Harvard.**

**Depois disso, EU TINHA QUE MUDAR DE LADO.**

**Resolvi ficar ao lado de Lula. Que me desculpem os meus amigos e, por favor, não me critiquem, nem mandem e-mail's indignados. Antes,
reflitam melhor sobre a situação atual. Tenho certeza que também ficarão ao lado do Lula ...

**Afinal, se eu ficar atrás... ele me caga e se eu ficar na frente...
ele me fo...

Portanto, a melhor opção é ficar ao lado dele.

ENQUANTO ISSO, ESPERO E SONHO QUE TUDO VOLTE AO NORMAL.

Será o dia em que:

ARRUDA será uma simples plantinha pra espantar mal olhado;

GENUÍNO será algo verdadeiro;

GENRO apenas o marido da filha;

SEVERINO apenas o porteiro do prédio;

FREUD voltará a ser o só criador da Psicanálise;

LORENZETTI será só uma marca de chuveiro;

GREENHALGH voltará a ser um almirante que participou de nossa história;

Dirceu, Palloci, Delúbio, Silvio Pereira, Berzoini, Gedimar,
Valdebran, Bargas, Expedito Veloso, Gushiken,Renan,  etc, serão
simples... presidiários.
E LULA APENAS UM FRUTO DO MAR!
Finalmente, quando olho meu título de eleitor velhinho, coitado, sempre
usado desde 1970 e vejo o Lula aliado ao Collor e, pasmem, na defesa
da vida ilibada dos Sarneys, concluo que entendo o verdadeiro
significado  do nome 'ZONA ELEITORAL'  escrito nele!"
É ou não muito boa mesmo? Se nosso Congresso mais parece  um Prostíbulo com Luz Vermelha à beira de uma estrada, "Zona Eleitoral" é algo que requereu muita "inspiração", sem dúvida!!



terça-feira, 24 de abril de 2012

Agressão ao José Serra

Lembram da campanha à Presidência da República última, onde o Serra é atingido por algo no Rio de Janeiro? Pois bem, vejam o que diz o Augusto Nunes sobre o episódio:


21/10/2010
 às 16:47 \ Direto ao Ponto

O mandante do crime acusa a vítima

“Nenhum candidato em primeiro, segundo ou terceiro lugar nas pesquisas tem direito de mentir da forma descarada com que o PSDB mentiu ontem”, voltou a mentir Lula nesta quinta-feira no Rio Grande do Sul.  Baseado num vídeo do SBT que mostra um dos momentos da agressão sofrida no Rio por José Serra,  o presidente que abandonou o emprego para virar animador de comício decidiu que nem existiu a ofensiva brutal das milícias do PT.
Além do que parece uma bola de papel, resolveu o Beato Lula, nada mais foi atirado contra Serra e seus aliados, ninguém tentou acuar o adversário. O cínico vocacional fez de conta que não viu as cenas de boçalidade explícita documentadas por fotos e vídeos, nem ouviu falar do corte na cabeça da  repórter Mariana Gross, da TV Globo, atingida por uma pedrada. Ele é capaz de dizer, sem ficar ruborizado, que o ferimento foi causado por Fernando Henrique Cardoso. Faz parte da herança maldita.
O paraíso dos delinquentes federais impunes gerou um chefe de governo que, reduzido a chefe de façção, trata a lei, a verdade e a decência a pontapés. Ao fim de oito anos, a Era Lula fez do coração do poder um viveiro de vigaristas. A discurseira em Porto Alegre reafirma que, para o presidente da República, o elogio do ódio e da violência é só um instrumento eleitoral. O espetáculo do cinismo não pode parar.

Cai a Máscara do PCdoB

Meus caros, como o Augusto Nunes, só o Augusto Nunes!! Vejam o que ele denuncia da "cumpanheirada" do Planalto: infelizmente o PCdoB, que tanto honrou a política brasileira nos tempos de Luis Carlos Prestes, Jorge Amado, Oscar Niemayer e outros membros ilustres, aprendeu que ideologia é para idiotas! Meter a mão é a forma de enriquecer rápido e com segurança! Não importa ao PCdoB de hoje se as vítimas "depenadas" são crianças: o negócio é roubar simplesmente. Vejam a matéria de outubro/2011:



15/10/2011
 às 17:18 \ Direto ao Ponto

Orlando Silva e seu bando têm de cair fora do ministério que virou covil do PCdoB

Pilhado em flagrante de novo, agora chapinhando no pântano do programa Segundo Tempo, o ministro Orlando Silva tentou trocar a pose de cartola a serviço da nação em Guadalajara pela fantasia de voluntário da pátria gravemente ofendido. “Confesso que eu estou chocado”, caprichou o canastrão vocacional ao saber das denúncias publicadas na edição de VEJA que acaba de chegar às bancas. “Estou estupefato, perplexo. Um bandido fala e eu que tenho que provar que não fiz, meu Deus?”. A fala decorada às pressas foi desmentida pela voz de quem deve, pela cara de culpa e pelas duas palavras finais: um comunista que invoca Deus quando o emprego está em perigo é tão confiável quanto um ministro que compra tapioca com cartão corporativo.
De todo modo, é compreensível que qualifique de bandido o companheiro do PCdoB que até recentemente era contemplado por verbas milionárias e audiências no Ministério do Esporte. Orlando Silva sabe que, no momento, cavalga o quinto andar da procissão dos condenados ao despejo. Não por vontade de Dilma Rousseff, que é só um codinome de Lula. Vai perder a boca no primeiro escalão por exigência dos milhões de brasileiros fartos de tanta ladroagem impune. Há limites para tudo.
Há limites também para a farsa encenada há quase nove anos. Um texto aqui publicado em março registrou que, no balanço dos dois mandatos que Lula registrou em cartório, a enxurrada de deslumbramentos do Segundo Tempo inunda quatro das 2.200 páginas divididas. Lançado em 24 de novembro de 2003 pelo Ministério do Esporte, bate no peito o parágrafo de abertura,  o programa “visa democratizar o acesso à prática e à cultura do esporte de forma a promover o desenvolvimento integral da criança, do adolescente e do jovem, como fator de formação da cidadania e de melhoria da qualidade de vida, prioritariamente daqueles que se encontram em áreas de vulnerabilidade social”.
Entre outros embustes superlativos, o palavrório que vai da página 345 à 349 jura que “o Programa Segundo Tempo, desde a sua criação, permitiu 3.852.345 atendimentos de crianças, adolescentes e jovens”.Essas cifras de matar de inveja um dinamarquês não teriam sido alcançadas sem “a capacitação e qualificação de 9.246 profissionais entre coordenadores, professores, agentes formadores e gestores de esporte e lazer”. Magnânimo, o fundador do Brasil Maravilha divide a façanha com alguns parceiros.
“Foi por meio da celebração de convênios com governos estaduais, municipais e organizações não governamentais (ONGs), e de parcerias com outros ministérios, que se alcançaram, a partir de 2005, mais de 1 milhão de atendimentos anuais, considerando-se os convênios anuais e plurianuais. Isso foi possível em função do crescimento exponencial do orçamento do Programa Segundo Tempo, que iniciou (sic) com R$ 24 milhões em 2003 e alcançou R$ 207.887 milhões em 2010”.
Estelionato eleitoreiro é isso aí, atestam as incontáveis gatunagens da quadrilha que controla o programa nascido e criado para servir ao Partido Comunista do Brasil, premiado com o Ministério do Esporte no primeiro dia da Era Lula. Só em 2010, pelo menos R$ 69,4 milhões foram parar nos caixas de 42 ONGs e entidades de fachada controladas pelo PCdoB. O Estadão descobriu, por exemplo, que uma ONG explorada pelo partido em Santa Catarina resolveu importar merendas de Tanguá, no Rio de Janeiro. A  empresa presenteada com a encomenda no valor de R$ 4,6 milhões tem um funcionário só, cujo nome o dono ignora, prospera num galpão abandonado há quatro anos e jamais produziu uma única e mísera merenda.
No Distrito Federal, 3,2 mil crianças continuam à espera dos 32 núcleos prometidos pelo convênio entre o ministério e outra ONG de estimação. Em Teresina, o que deveria ser uma quadra é um matagal onde os iludidos pelo Segundo Tempo tentam jogar futebol e vôlei improvisando traves e redes com tijolos, bambus e muita imaginação. A logomarca do programa num muro garante que aquilo é um núcleo esportivo. É só a prova de mais uma negociata que irrigou com R$ 4,2 milhões outra entidade a serviço do PCdoB.
“Vamos apurar todas as denúncias”, recita Orlando Silva depois de cada escândalo. “Vou processar o acusador”, acaba de declamar em Guadalajara. Vai coisa nenhuma. Pecador não apura; é investigado. Delinquente não processa; é processado. As patifarias do Segundo Tempo são apenas mais um tópico que inclui, entre outros espantos, os R$ 4 bilhões enterrados no Pan-2007 (veja o texto na seção Vale Reprise). O ministro meteu-se num beco sem saída. Se não soube de nada, é inepto. Se soube, é corrupto. Em qualquer hipótese, não pode continuar no cargo. Tem de ser imediatamente afastado das cercanias dos cofres onde correm perigo os bilhões da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016.
Dois dias depois da descoberta de que o Ministério do Esporte anda roubando até crianças, Orlando Silva apareceu em São Paulo para discorrer sobre obras em aeroportos e estádios em construção. O craque das jogadas ilegais sonha com lances ainda mais ousados. No Brasil em adiantado estado de decomposição moral, os crimes já são anunciados com alguns anos de antecedência. Se corrupção desse cadeia, a população carcerária não caberia numa Bolívia. Mas sempre há lugar para um Orlando Silva.
No primeiro escalão é que não pode haver lugar para uma figura dessas. Lula, que o transformou em ministro em 2006, sabe muito bem com quem continua lidando. Dilma Rousseff também conhece bastante o parceiro que chama de “Orlandinho”. Diga o que disser o protetor de bandidos companheiros, queira ou não queira a coiteira dos afilhados do chefe, Orlando Silva e seu bando têm de cair fora do gabinete que virou covil do PCdoB. Já.

Arnaldo Jabor

Vejam abaixo, o que o grande Arnaldo Jabor acha da atual e antiga política brasileira, bem como descreve os atuais e antigos gigolôs da República:


23/04/2012
 às 16:51 \ Feira Livre

‘A falência múltipla dos órgãos públicos’, um artigo de Arnaldo Jabor

PUBLICADO NO GLOBO DE 17 DE ABRIL DE 2012
ARNALDO JABOR
Os corruptos ajudam-nos a descobrir o País. Há sete anos, Roberto Jefferson nos abriu a cortina do mensalão. Agora, com a dupla personalidade de Demóstenes Torres, descortinamos rios e florestas e a imensa paisagem de Cachoeira. Jefferson teve uma importância ideológica.
Cachoeira é uma inovação sociológica. Cachoeira é uma aula magna de ciência política sobre o Sistema do País. Vamos aprender muito com essa crise. É um esplendoroso universo de fatos, de gestos, de caras, de palavras que eclodiram diante de nossos olhos nas últimas semanas. Meu Deus, que riqueza, que profusão de cores e ritmos em nossa consciência política! Que fartura de novidades da sordidez social, tão fecunda quanto a beleza de nossas matas, cachoeiras, várzeas e flores.
Roberto Jefferson denunciou os bolchevistas no poder, os corruptos que roubavam por “bons motivos”, pelo “bem do povo”, na base dos “fins que justificam os meios”. E, assim, defenestrou a gangue de netinhos de Lenin que cercavam o Lula que, com sua imensa sorte, se livrou dos mandachuvas que o dominavam. Cachoeira é uma alegoria viva do patrimonialismo, a desgraça secular que devasta a história de nosso País. Sarney também seria ‘didático’, mas nada gruda nele, em seu terno de ‘teflon’; no entanto, quem estudasse sua vida entenderia o retrato perfeito do atraso brasileiro dos últimos 50 anos.
Cachoeira é a verdade brasileira explícita, é o retrato do adultério permanente entre a coisa pública e privada, aperfeiçoado nos últimos dez anos, graças à maior invenção de Lula: a ‘ingovernabilidade’.
Cachoeira é um acidente que rompeu a lisa aparência da ‘normalidade’ oficial do País. Sempre soubemos que os negócios entre governo e iniciativa privada vêm envenenados pelas eternas malandragens: invenção de despesas inúteis (como as lanchas do Ministério da Pesca), superfaturamento de compras, divisão de propinas, enfrentamento descarado de flagrantes, porque perder a dignidade vale a pena, se a grana for boa, cabeça erguida negando tudo, uns meses de humilhações ignoradas pelo cinismo e pela confiança de que a Justiça cega, surda e muda vai salvá-los. De resto, com a grana na ‘cumbuca’, as feridas cicatrizam logo.
O governo do PT desmoralizou o escândalo e Cachoeira é o monumento que Lula esculpiu. Lula inventou a ingovernabilidade em seu proveito pessoal. Não foi nem por estratégia política por um fim ‘maior’ – foi só para ele.
Achávamos a corrupção uma exceção, um pecado, mas hoje vemos que o PT transformou a corrupção em uma forma de governo, em um instrumento de trabalho. A corrupção pública e a privada é muito mais grave e lesiva que o tráfico de drogas.
Lula teve a esperteza de usar nossa anomalia secular em projeto de governo. Essa foi a realização mais profunda do governo Lula: o escancaramento didático do patrimonialismo burguês e o desenho de um novo e ‘peronista’ patrimonialismo de Estado.
Quando o paladino da moralidade Demóstenes ficou nu, foi uma mão na roda para dezenas de ladrões que moram no Congresso: “Se ele também rouba, vamos usá-lo como um Omo, um sabão em pó para nos lavar, vamos nos esconder atrás dele, vamos expor nosso escândalo por seu comportamento e, assim, seremos esquecidos!”
Os maiores assaltantes se horrorizaram, com boquinha de nojo e olhos em alvo: “Meu Deus… como ele pôde fazer isso?…”
Usam-no como um oportuno bode expiatório, mas ele é mais um ‘boi de piranha’ tardio, que vai na frente para a boiada se lavar atrás.
Demóstenes foi uma isca. O PT inventou a isca e foi o primeiro a mordê-la. “Otimo!” – berrou o famoso estalinista Rui Falcão – “Agora vamos revelar a farsa do mensalão!” – no mesmo tom em que o assassino iraniano disse que não houve holocausto. “Não houve o mensalão; foi a mídia que inventou, porque está comprada pela oposição!” Os neototalitários não desistem da repressão à imprensa democrática…
E foi o Lula que estimulou a CPI, mesmo prejudicando o governo de Dilma, que ele usa como faxineira também das performances midiáticas que cometeu em seu governo. Dilma está aborrecida. Ela não concorda que as investigações possam servir para que o Partido se vingue dos meios de comunicação e não quer paralisar o Congresso. Mas Lula não liga. “Ela que se vire…” – ele pensa em seu egoísmo, secretamente, até querendo que ela se dane, para ele voltar em 14. Agora, todo mundo está com medo, além da presidente. O PT está receoso – talvez vagamente arrependido. Pode voltar tudo: aloprados, caixas 2 falsas, a volta de Jefferson, Celso Daniel, tantas coisinhas miúdas… A CPI é um poço sem fundo. O PMDB, liderado pelo comandante do atraso Sarney, também está com medo. A velha raposa foi contra, pois sabe que merda não tem bússola e pode espirrar neles. Vejam o pânico de presidir o Conselho de Ética, conselho que tem membros com graves problema na Justiça. Se bem que é maravilhoso o povo saber que Renan, Juca, Humberto Alves, Gim Argello, Collor serão os ‘catões’, os puros defensores da decência… Não é sublime tudo isso? Nunca antes, em nossa história, alianças tão espúrias tiveram o condão de nos ensinar tanto sobre o Brasil. A cada dia nos tornamos mais sábios, mais cultos sobre essa grande chácara de oligarquias. E eu estou otimista. Acho que tudo que ocorre vai nos ensinar muito. Há qualquer coisa de novo nessa imundície. O mundo atual demanda um pouco mais de decência política. Cachoeira, Jefferson, Durval Barbosa nos ensinam muito. Estamos progredindo, pois aparece mais a secular engrenagem latrinária que funciona abaixo dos esgotos da pátria. A verdade está nos intestinos da política.
Mas, o País é tão frágil, tão dependente de acasos, que vivemos com o suspense do julgamento do mensalão pelo STF.
Se o ministro Ricardo Lewandowski não terminar sua lenta leitura do processo, nada acontecerá e a Justiça estará desmoralizada para sempre.

Vamos pensar um pouco?

Nem só babaquice a gente recebe da internet. Vejam o pensamento/análise abaixo: 


CRONIQUINHA SOCIAL DE UM TEMA WEBIANO
Queridas amigas.
Recebi o e-Mail de vocês sobre as coisas indevidas que o governo faz para fomentar a vagabundagemnacionalMaseu raciocino assim um pouquinho diferente e vou lhes dizer como.
Olhem, se o governo dá camisinha pra quem "vai transar" é porque nós – sociedade da qual o transador fazpartenão o educamos para a cidadania e as consequências da vida. Daí, sendo capaz de transar quando quer, uma vez desejando, ele ou não tem grana pra comprar camisinha ou não tem compostura social e, mesmotendo grana vai "se escorar no governo" fazendo, enfimcom que nós e ele paguemos a camisinha dele.Porque, no final dos processos sociais e econômico-sociais, amiguinhas, todo mundo se *ode um pouquinho. Todomundo paga, uns em dinheiro e outros passando privações.
Se uma criatura dessas que alcançou o altíssimo grau social de conviver conosco pensa que somos somente nós- os conscientes e ordeiros pagadores de impostos - que pagamos o pato, está muito enganado. Pois quandoalguém faz um "pum" no carro todos os ocupantes cheiram - inclusive o peidão. Não tem boca! E isso é amesma coisa na sociedade. O que faz raiva é sabermos que não fomos os autores diretos mas que estamoscomo cheiradores diretos...
Vocês citam ainda  "pílula do dia seguinte, o Bolsa-Família, o Bolsa-Desemprego, o Bolsa-Escola, o Bolsa-Cota, o remédio gratuito, o sorteio de casa própria, o Bolsa Invasão, o vale leite, o vale gás, o vale refeição, o vale transporte, o AUXÍLIO RECLUSÃO", como se fossem itens de uma extorsão bandidaMas isso não é uma extorsão bandida. É um ato nobre dos que podem diante dos que não podem.
Vocês recordam daquele famoso fotógrafo sul-africano Kevin Carter que ganhou o Prêmio Pulitzer de 1994. Afoto foi tirada em 1993 no Sudão e mostrava uma criança faminta que se arrastava na direção de um posto dedistribuição de alimentos da ONU e um urubu que aguardava a morte dela para se alimentar de seus restos. Kevin tinha duas opçõesajudar a criança ou fotografar aquele momento único – ser mais um otário no mundoou um profissional premiado. 
Imagem inline 1Ele fotografou em 1993. Ficou famoso. Ganhou o prêmio em 1994, mas 4 meses depois - suicidou-se aos 33 anos de idade. Numa nota deixada dizia: - “Estou deprimido… Sem telefone… Sem dinheiro para o aluguel.. Sem dinheiro para ajudar as crianças…”
Reparem o seguinteEu fui menino pobrefilho de pais pobres e sem escolaridade completa - um mecânico e uma costureiraMestre João nunca foi à escola formal e D. Maria fez até o terceiro ano primárioPor voltade sessenta e quatro eu saia de casa no sábado com uma sacola e ia para a fila do Patronato para receberalimento gratuito - uma farinha sintética esquisita, umas cápsulas gelatinosas de vitaminasarrozaçúcar efeijão (muitas vezes bichado que tínhamos de catar ligeiro e comer antes que o gorgulho o fizesse). Tudo issovinha em grandes caixas abertas na nossa frente, e distribuídas pelas Freiras mais a D. Lavínia - que ajudava as irmãs no Patronato. Todas as caixas eram de papelão reforçado, firmesescritas bem grande na lateralmaior da caixaUSAID. E em letrinhas menores vinha embaixoCONVÊNIO M.E.C. / USAID ALIMENTOS PARAPAZCada caixa rendia uma boa briga entre nós meninos ou entre os pais para levá-las pra casa. As caixasiriam forrar o estrado das camas de colchão de palha dos meninos mijões que éramos.
Em sessenta e oito ajudando nas atividades do Partido Comunista como voluntário numa célula do bairroeume enraivecia de ter "comido o pão que o diabo americano amassou" mas me consolava pelas copiosas mijadasque os meninos deram em cima daquelas caixas odientas!
Hojeeu me consolo mais ainda, e me felicito, por ver que é o próprio governo do meu país que trata nossaschagas sociais.

Vocês ainda falam: Mas experimenta estudar e andar na linha, e pagar as contas pra ver o que é que te  acontece! Trabalhe duropois milhões de pessoas que vivem do Fome-Zero e do Bolsa-Família, sem trabalhar, dependem de você. Se você é brasileiro passe adiante. Se voce é otario...fica na moita...”
Bom, estas coisas eu compreendo de outra forma, admito que assim sejam pelo tempo que precisar ser e continuarei estudando, andando na linha e pagando as contas mesmo sabendo que o estarei fazendo pelas “mariposas” e “cigarras” que fazem da vida uma farra
É o custeio do aprendizado
Paga-se uma cerveja para os amigos? Entao pago essa. E inda vou dar uma força ao Pai de todos nós pagando essa lição a esses "filhos pródigosagoraPorque, fazendo assim as coisas se precipitam logo de uma vez,eles vão comer comida de porcos e correr pra casa com o rabo entre as pernas
quando eles chegarem , pasmem, nosso Pai vai é fazer festa.... imaginem! O governo não é nadaperto doPai! O velho é ruim todo do juízo... coisas da idade.
Mas é meu PaiFazer o quê?
Entãoeu como sou otário mesmo conforme vosso amável conselho vou catar uma moitinha maneira e me enfurnar por ...

Ave!

-- 
Coisas que não podemos esquecer de cantar:

"Cantar é mover o dom do fundo de uma paixão, seduzir as pedras, catedrais, coração"

João CESAR Silveira da Costa
      Cientista Social - Professor