quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A greve, a adesão e os grevistas

Estamos acompanhando pela TV e outras mídias, os percentuais de adesão dos policiais militares também no interior do estado. Em alguns lugares a grande maioria está aquartelada ou dentro dos limites de seus batalhões. Essa é a forma pacífica de reivindicar. Já em Salvador, vejo imagens que não deveriam ser creditadas àqueles que têm a obrigação ou papel de  coibi-las: quebra-quebra, carros tomados de assalto para ficarem atravessados em avenidas, grupos encapuzados em 12 ou 15 motos, com garupa e todos encapuzados, de arma em punho, obrigando os comerciantes a fecharem seus estabelecimentos sob a ameaça de voltarem, tiros a esmo, enfim, atos dignos de moleques. Certamente que esse comportamento desprezivel não reflete nem de longe as diretrizes da  Polícia Militar baiana. Ora, se temos moleques dentro da nossa própria família, por que também não numa empresa ou corporação? Bom, voltando à adesão dos PMs ao movimento, informaram-me que Mairi, minha querida cidade, teve adesão de 100% (Cem por cento) doaA seu efetivo. Vou estufar o peito: 100%!! É isso aí rapaziada: cem por cento de adesão de um efetivo de 2 (dois)  policiais por dia. Me disseram ainda que esse percentual só foi alcançado porque um dos policiais estava de atestado médico?! Não importa: batemos Salvador e Feira de Santana!! A adesão em Mairi foi de 100% e ponto final!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário