quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Foi uma "festa!!"

É o que muitos dirão, sobre as comemorações do Dia do Evangélico, celebrado ontem à noite em Mairi. E bota celebração nisso: tiraram até diabo do corpo de um morador do Bairro Coqueiro!! Também pudera: um enorme palco armado, um super som e a plenos pulmões os gritos de "sai desse corpo que ele não te pertence mais", em plena madrugada silenciosa,  não há diabo, por mais corajoso, que fique. Será que é necessário berrarmos para alcançarmos os ouvidos de Deus nosso Pai e os do nosso Irmão Jesus Cristo? Justo Jesus que falava com uma serenidade impressionante e conseguia se fazer ouvir a milhares de quilômetros!! Queremos, com o histerismo religioso, alcançar os ouvidos do Senhor ou aos nossos próprios, na tentativa de nos autoafirmarmos, de nos convencermos a nós mesmos? Toda comemoração é válida e deve ser conduzida dentro dos parâmetros de convivência cordial. Será que se alguém, proprietário de um daqueles carrões com "som de arromba" parasse em frente a uma dessas igrejas e arregaçasse o volume na hora dos seus cultos seus membros aceitariam? Por que temos que aceitar que se faça o contrário? Apenas porque falam "em nome de Deus"? Por que a Polícia pede para os rapazes abaixarem seus volumes na hora da Missa na Igreja Católica na Praça J. J. Seabra? A atitude é absolutamente correta disciplinadora, até porque tem um monte de imbecil que fica disputando "volume" na hora da celebração. Mas, e quando a celebração passa a ser a transgressora e tira o sossego merecido de quem precisa descansar para levantar cedinho para trabalhar ou, pior, tira o silêncio necessário ao repouso do enfermo? Cada vez me convenço de que "na Casa do Senhor não existe satanás" mesmo!!

Um comentário:

  1. Pois é meu caro, estão aí duas situações que concordo plenamente contigo: Som alto, seja de onde vier é sempre um afronto aos ouvidos de terceiros. É preciso partir sempre do princípio de que ninguém é obrigado a escutar o que eu quero escutar. Nesse aspecto, parece que os nossos jovens perderam totalmente o discernimento. Acho até que nunca é tiveram uma educação decente em suas famílias. Tenha certeza de que filhos que são educados ainda à moda antiga não cometem estas atrocidades. Quanto à questão das igrejas evangélicas (algumas) tenho que afirmar que não consigo entender a atitude de certos pastores. De duas uma: ou o Deus deles é surdo e por isso precisam gritar para que Ele ouça, ou os fiéis é que são surdos e não conseguem entender se não for aos gritos. Ainda continuo achando que o melhor é sempre manter a nossa fala em tom bastante ameno. Esse é o jeito de as coisas produzirem frutos abundantes e permanentes.

    ResponderExcluir