segunda-feira, 27 de junho de 2011

A Estupidez tem Diploma Universitário!!

Se voltarmos um pouco no tempo, fatalmente nos depararemos com os casos de maridos com 2 ou 3 mulheres e, como nos lembramos, era considerado "normal". A santa esposa era para a procriação, cuidar dos filhos, da casa e do sacana, enquanto ele, não raro, montava uma casa completa para a amante, inclusive a poucos metros da "residência oficial". Tudo considerado normal por uma sociedade hipócrita e dominadora. A esposa era totalmente dependente: não podia sequer pensar em trabalhar. Ter orgasmo então, era motivo de surras. Se a coitada sentisse algum prazer tinha que reprimir e não podia emitir nenhum som. "Isso é coisa de mulher da rua", os maridos diziam. Na casa das amantes a orgia corria solta e, inclusive, se a moça fosse esperta, fingia orgasmos doidos e levavam os babacas à loucura. Certamente ela ganhava um agradinho em forma de presente. Tudo normal, como disse antes. Coisas de uma época que, felizmente, passou. O que vou lhes contar agora, aconteceu numa cidade da jurisdição da 16ª Dires (Jacobina), etapa final da Campanha Nacional Anti-Pólio. Exatamente hoje, 27/06/2011, saímos com a equipe composta por vacinador e três Agentes Comunitários de Saúde, casa a casa, na sede do município, procurando alguma criança com vacinas atrasadas. Numa determinada casa, a senhora atende à porta e fala para a vacinadora que "as meninas já foram vacinadas com as medicações via intramuscular. Só falta a gotinha". Ou seja, já haviam tomado as vacinas "de guia" como alguns dizem. Quando a Agente voltou pro carro, o restante da equipe foi fazer mais um porta-a-porta e foi aí que ouvi o absurdo:  segundo a Agente, o pai das meninas, de 4 e 7 anos, aproximadamente, sequer deixa que sejam pesadas, alegando que "minhas fia num é fardo prá ser pesado não!! E num venham com essa de furar as menina que eu não deixo. E ai da muié se ela deixar furar as menina enquanto eu tiver na roça!!" É isso mesmo: a mãe só permite vacinas de gotinha, muito mal. Mas, as vacas da fazenda tomam vacinas de agulha sem que ele proteste. Ou seja, o seu gado é mais importante do que as filhas!! Agora, o estarrecedor: a mãe é Pedagoga! Isso mesmo: pedagoga com diploma universitário e tudo. Regridimos ou as pessoas ainda se deixam anular pura e simplesmente? Naquela época as mulheres, na grande maioria era analfabeta e dependentes. Hoje, nossa Pedagoga ensina em colégios da cidade, inclusive na extensão de uma Universidade. Que conteúdo ela deve passar para seus alunos? Dá medo!!

domingo, 26 de junho de 2011

O Show!!

Foi um banho, inclusive de cultura!! Assim foi o show de Alcimar Monteiro dia 25/06 em Mairi. Mostrou o melhor do forró e de lambuja ainda trouxe manifestações culturais nordestinas em forma de dança, que eram inseridas em rápidas apresentações durante o show. Mas o ponto alto foi quando ele, indignado, desceu a lenha nos falsos forrozeiros, nos "poetas" que fazem letras de pagode baiano, etc. O homem deitou falação abertamente. Esculhambou com o oportunismo. Aliás, parece coisa feita: o deputado federal Daniel Almeida, que no palco disse ser de Mairi e não de Várzea da Roça como faz questão de dizer quando está, naturalmente, naquele município, teve seus dois minutos de holofotes, num total oportunismo. Logo após a despedida demagógica de Sua Excelência, Alcimar "mandou ver". E ainda garantiu que irá pessoalmente à Brasília para tentar convencer o Ministro do Trabalho a reconhecer a profissão de Vaqueiro. Muito bacana e consciente gesto de um artista que também é pesquisador e defensor ferrenho da Nordestinidade. Ué, mas isso não seria atribuição ou dever de "Sua Excelência??" Também, o que esperar de um político que conseguiu se filiar a um partido glorioso como o PC do B e depois divide o palanque com os algozes dos fundadores do partido? Se isso não for um oportunismo deslavado então eu sou imbecil e não conheço nada de História do Brasil, além de ser um desmemoriado, como "eles" querem o brasileiro. Valeu Alcimar pelo Show e pela lição do que é ser, de fato, defensor da Cultura. A noite de 25/06 foi perfeita: forró de primeira com Alcimar, depois, no mesmo estilo a banda Calango Tião e, no palco 2, o forró de primeira com Nildo do Acordeon e seu grupo. Aliás, a prefeitura deveria se envergonhar de chamar "aquilo" de Palco 2!! Um jirau ridiculamente decorado que, se chovesse, adeus sanfonas e zabumbas. Tudo molharia, se esperassem, é claro. Existem estruturas como a do palco principal em tamanho bem menor. Não custaria disponibilizar. Chega a ser humilhante se apresentar naquele troço com nome de Palco 2. Aliás, não vi o Prefeito, o Vice ou "Sua Excelência" dirigirem uma palavra sequer para seus eleitores usando os microfones e a "gambiarra" que iluminava o Palco 2!! Por quê?

sábado, 25 de junho de 2011

"Cabra Cega"

Quem não se lembra dessa brincadeira? Certamente que pessoas com mais de 40 anos, sim. Só que o visitante de Mairi não acha a menor graça em ficar perdido na cidade. E não são só os visitantes: os motoristas da Águia Branca passam por verdadeiros testes de paciência e habilidade toda vez que tem festa popular em Mairi. As ruas ficam lotadas de carros particulares, em grande parte conduzidos por idiotas que, morando a 100, 200 metros da Praça J.J. Seabra ou do Circuito do Bonfim, levam seus veículos para as ruas mais próximas desses locais numa atitude estúpida mas que massageia o seu (dele) ego por mostrar a todos que tem um carro. É lamentável mas todos os anos no Natal, Ano Novo, Aniversário da Cidade, Festejos da Padroeira e São João, tudo se repita. Da minha casa à rua Barão do Rio Branco, assisto aos malabarismos dos motoristas dos ônibus. E nesse particular a Prefeitura tem toda culpa. Cabe a ela manter um mínimo de sinalização na cidade, um mínimo de fluidez para o trânsito de veículos grandes. Não existe nada. Limita-se a isolar a Praça J.J. Seabra e o Bonfim e pronto. Esse isolamento funciona prá carros: vemos motos dentro do Circuito do Bonfim com pilotos não tão seguros na pilotagem devido à ingestão de álcool e/ou outras "cositas mas". Na Praça J. J. Seabra também é assim: o risco de um atropelo é iminente. Porque a Prefeitura não copia, já que não tem capacidade criativa, o modelo de Miguel Calmon e Macaúbas, dois exemplos de cidades sinalizadas? Nelas, isolamento é isolamento! Nem bicicleta circula. Nos dias de grandes festas  naturalmente algumas ruas ficam interditadas mas é criado um Corredor de Escoamento onde, nesse trajeto, não se pode estacionar. E fica alguém prá coibir um possível descumprimento da lei. Então, caminhões e ônibus de passagem por essas cidades tem uma via livre para seguirem viagem ou desembarcarem seus passageiros com segurança e tranquilidade. Mais um "pequeno" detalhe dessas duas cidades: se você souber o nome do bairro ao qual  se destina, fique tranquilo;  não  precisa perguntar nada a ninguém... A menos que sua leitura seja "MENAS" que a de alguns administradores. Ou se toma uma atitude já ou continuaremos brincando de "cabra cega" pelo avesso. Não tem a menor graça.

Cordel Encantado em Mairi!!

Não há como não associar personagens de novela com "atores" da vida real!! Ontem, 24/06, em pleno circuito do São João 2011, ao excelente som da banda Limão Com Mel mas com repertório ridículo, desviei a atenção para as pessoas caricatas do circuito. Primeiro, descobri que se você quiser pegar todos os flagrantes sensacionais, é preciso estar de "bico sêco". Foi o que aconteceu: sentado num canto privilegiado, observei um cidadão da zona rural de Várzea da Roça que é figurinha marcada nas festas populares. Não porque se divirta muito mas pelo porre que dá nas pessoas. Quando está trocando as pernas sai de mesa em mesa literalmente enchendo as medidas das pessoas. Absolutamente inconveniente. E tenta conversar com todos numa insistência irritante. Ontem, até quando observei, apesar de irritadas as pessoas relevaram a atitude do tal sujeito. E estava bem vestido: camisa amarela manga comprida, devidamente  colocada "por dentro" da calça, sapato limpo, mas parou aí. Suas atitudes tiraram o brilho da indumentária. E, observando, me veio à mente no mesmo instante a pergunta: "e se alguém com estopim mais curto acertar um murro no olho são desse moço, como ele fará para, depois de acordar, acertar o caminha de casa?" A pergunta tem respaldo porque nosso ator chato, tem, como diria minha mão D. Matilde, uma "VILIDE" no olho direito. É!! O cara tem catarata no bendito olho que está perdido, todo branco. Daí a minha preocupação em alguém acertar um "Olho de Tandera" no único olho são. Minha referência à novela Cordel Encantado é que, como Capitão Herculano não estava com o resto do bando para protegê-lo, contradigo o ditado popular "em terra de cego quem tem um olho é rei!" e modifico para "em terra de cego quem tem um olho é Zói Furado!!" Né não?

sexta-feira, 24 de junho de 2011

São João de Mairi

É bom ver que filhos de Mairi e muitos convidados destes, lotam a nossa cidade nessa época. Isso nos remete àqueles tempos em que muitos jovens, que hoje são profissionais bem sucedidos, estudavam principalmente em Salvador e ficavam ansiosos para voltarem à terrinha querida trazendo vários colegas. Sinal que a atual administração municipal está acertando no formato da festa. Não tem mistério: contrata-se bandas com repertório pertinente e pronto. Tá funcionando. Pena que uma das bandas mais esperadas trouxesse, esse ano, um repertório absolutamente diferente do apresentado em 2010!!  Seu Maxixe!! Som de excelente qualidade, ótimos músicos mas o repertório cheio de Luan Santana, Michel Teló e outros "nejos" açucarados, não emplacou. Nada contra esses astros! Só não têm nada a ver com a festa. Até entre o chamado público "teen" havia crítica. Gostei da animação de Sampaínho do Acordeon e da interpretação de Nildo do Acordeon  que, inclusive, substituiu o acordeonista da Forrozim,  primeira banda na noite de 23.Muito boa.  No dia 22 a primeira banda "inovou", a meu ver: dava prá ver nitidamente que era uma banda de  pagode com um minúsculo repertório de músicas joaninas. O interesse de alguns empresários é vender a banda. Quem contrata tem de impor certas condições. A noite de 22 foi salva pela banda Mel com Pimenta, sob a liderança do ex-vocalista da Banda Extra, Bode. A Banda Forrozim foi a grande boa surpresa da noite de 23. Infinitamente melhor, esse ano, do que Seu Maxixe, a grande atração . Outra boa surpresa foi a estrutura médica disponibilizada para as pessoas: Ambulância, Posto Médico, além do policiamento ostensivo no circuito. O ponto fraco foi a desativação da estrutura médica logo no início do show do Seu Maxixe, onde uma multidão se comprimia e dançava com euforia aplaudindo seus ídolos: grande paradoxo. Já pensou se alguém precisa de atendimento ou mesmo de ser levado ao hospital? Sem contar que a estrutura do Posto Médico estava servindo perfeitamente para as propostas de "amassos" de um jovem casal, aproveitando o escurinho. Com certeza ano que vem será melhor. estamos, enfim, de parabéns!! 
E vamos "licosar!!"

sábado, 18 de junho de 2011

Quem é o vilão afinal?

É engraçado como a grande mídia massacra a moto e seus pilotos: "irresponsáveis, inconsequentes, moleques", etc e por aí vai. As montadoras, ninguém conseguirá me dissuadir dessa idéia, pagam fortunas para que as Tvs "vendidas", principalmente a Globo, lancem todos os dias campanhas difamatórias contra o motociclismo. Já é "consenso" entre os babacas que todo sujeito que anda de moto é Motoqueiro. Puro engano: existem realmente alguns irresponsáveis que, como motoristas ou pilotos de lanchas e Jet Ski's cometem asneiras. O problema é que a MOTOCICLETA pura e simplesmente é alvo de campanhas difamatórias. No Brasil dos corruptos e ladrões, tem até político querendo aprovar lei que dificulta ainda mais a vida do motociclista. Enquanto em países desenvolvidos os governos estimulam o uso das bicicletas e motos, o Brasil dos cretinos anda na contra-mão! Vou lhes contar uma historinha rápida: na quinta-feira passada (16/06), ao trafegar na Avenida de Contorno de Mairi com sua moto, farol aceso, Clézio foi literalmente atropelado por um veículo Ranger. Como aconteceu? Lá vai: meu amigo vinha na direção do trevo de Várzea da Roça, em frente ao Colégio Marc Thein e em sentido contrário a tal ranger. Num dado momento o condutor da camionete faz uma brusca conversão à esquerda para retornar e apanhou meu amigo. Piloto experiente com "calo na bunda", freou e tentou desviar, sem sucesso. Vendo que ia bater de frente, esperou o momento certo e, para não ter as pernas prensadas no carro, de pé nas pedaleiras, saltou. Caiu a vários metros de distância e algumas testemunhas ainda sugeriram que o motorista "desse no pé". Viram o quanto o motociclista é discriminado? Mesmo coberto de razão meu amigo poderia ter sido deixado no asfalto. Felizmente o cidadão atropelador e absolutamente desatento prestou socorro ao motociclista e tem demonstrado preocupação com o estado de saúde do meu velho amigo Clézio, visitando-o regularmente. Menos mal. Pelo menos mostrou ter, se não habilidade para dirigir, bom caráter. Vale lembrar que Clézio é piloto há muitos anos, participa de palestras e eventos do gênero e promove nosso já famoso Mairi Moto Fest. Além disso é Presidente do moto clube Amantes do Motociclismo.

O Governo que merecemos!

Meus amigos, reparem na maldade do governo de PT!! Chega a enojar o que esses cretinos pretendem fazer com o Brasil e seu povo. Leiam o artigo abaixo e tirem suas conclusões.

********************************************************************************



Para conhecimento e divulgação.
Jornal A Tarde  08/06/11 (MidiaPress) - Opnião - Artigos 
6) Denúncia, palavra pesada
Consuelo Novais Sampaio, Doutora em História pela The Johns Hopkins UniversityAté hoje esperei que o senhor secretário de Administração corrigisse entrevista concedida ao A TARDE, em 21 de maio p.p., convocando a população a fiscalizar e denunciar servidores públicos faltosos. Prometeu fixar listas em todas as repartições e demitir os fantasmas que congestionam as folhas de pagamento. Exceto os que pululam os gabinetes dos deputados, suponho. São poderes independentes, mas ligados por desejável harmonia; afinal, gozam da mesma fonte financeira: os impostos, cada vez mais pesados, que esmagam a todos nós. E compromissos eleitorais devem ser cumpridos, a bem da consolidação no poder.

Confiei que aquela desastrosa convocação houvesse sido feita num momento de impulso, desejo de ver a moralidade prevalecer na Bahia, Até pensei que S.Sa estivesse animado pelo êxito da "operação caça-fantasmas", deflagrada pela Corregedoria Geral, entre 2007 e 2010. Resultou numa economia de 92 milhões para o Estado da Bahia, conforme declarou. Esqueceu-se de dizer o que foi feito com tão significativo ganho. Até pensei que teria sido aplicado nas escolas públicas, no mísero salário dos seus professores. Ingenuidade.

Esqueceu-se S.Sa de que aquela bem-sucedida operação foi feita pela Corregedoria Geral? Deseja esvaziar as atribuições desse órgão? Se não, como ousa jogar o povo contra o povo, convocando-o a denunciar, palavra que, nesse contexto, degrada o ser humano? Pede à nossa gente que faça trabalho da competência do poder público? Estaria confessando a sua própria falência como gestor da administração do Estado? Confirma palavras do especialista em gestão César Souza: "Vivemos um verdadeiro apagão de líderes".

O servidor público cala, com medo de ser demitido e perder o infame salário que recebe, em gritante contraste com aqueles que lotam gabinetes do Legislativo. E preciso que S.Sa esclareça melhor a sua proposta, caso não corrija aquela desastrosa entrevista. Que compensação receberia o denunciador por sua vil ação? Benefício

financeiro? Medalha de cidadão exemplar, como aconteceu na plena vigência do nazismo? Lembre-se de que, então, filhos denunciaram país; amigos denunciaram amigos, na mais degradante das ações humanas. Tudo pela pátria, e para salvar a própria pele. Imaginou S.Sa o que poderia acontecer entre nós, onde mais de 300 mil profissionais de nível universitário aguardam colocação? Não admira que muitos desses NU hajam se submetido a concurso Reda para nível médio. Rebaixaram-se, por falta de alternativa. Em decorrência, os profissionais de nível médio foram alijados, engrossando mais ainda o nosso exército de reserva, A insatisfação é geral; perde créditos o governo que prometeu a realização de concurso público.

Ao permitir, inclusive, a denuncia anônima, sem caráter, o secretário desencadeou um verdadeiro terrorismo social, impedindo que o homem confie no seu semelhante, não tenha com quem falar, receoso de que qualquer palavra menos formal possa levá-lo à degola. Por que gerar mais medo, numa sociedade que já foi caracterizada pela alegria de viver, e agora clama por segurança? Desejamos que S.Sa cumpra o seu dever, sem esvaziar as atribuições da Corregedoria, E, desta vez, diga-nos o que será feito com o dinheiro economizado. Queremos crer que as vagas abertas não serão preenchidas por compromissos eleiçoeiros. Mas se desejar um denunciante particular, procure o exímio especialista que age furtivamente nas repartições; ele acaba de fazer com que uma das mais eficientes colaboradoras do Centro de Memória da Bahia da FPC fosse rebaixada de categoria, com sensível perda financeira. Ele supera o próprio J. Silvério dos Reis, aquele que denunciou Tiradentes, lembram-se?

Por fim, é preciso mais um esclarecimento. Qual será o livro de cabeceira do senhor secretário? O Príncipe, de Maquiavel, ou 1984, de George Orwell? Estou confusa, pois suas palavras remetem-nos aos dois, já que trazem à nossa mente os horrores de 1964. Que leia a nossa História, e lembre-se de Churchill: "Quanto mais olhar para trás, mais vai enxergar o futuro".



segunda-feira, 13 de junho de 2011

Casa de pai, escola de filho!!

Não tem jeito: é só pintar uma campanha de vacina para eu me deleitar com novos "causos". Esse período é muito rico devido à interação com pessoas dos mais diferentes níveis de escolaridade. E descobri que quanto menos letrado, mais criativo e original! Deve ser a tal Lei da Compensação! Desta vez aconteceu hoje, 13/06/2011, primeiro dia da Campanha Antipólio no município de São José do Jacuípe, mais exatamente no Distrito de Itatiaia, na companhia da colega Iracema e do Agente Comunitário de Saúde, Sêo Cosme. Figura bonachona, de sorriso franco, muito conhecido e respeitado na localidade, muito organizado, o que aliás, não é fácil de se ver. Passado o primeiro momento,  "gelo quebrado", como se diz na gíria, Sêo Cosme se revelou muito bom de papo e de causos. Às 13:00hs paramos num bar num povoado, fechado e prá piorar, chovendo. Apanhamos nossas "quentinhas" mais geladas que pedaços da Calota Polar e traçamos. Tava ótimo: feijão tropeiro, arroz e carne assada no espeto dá prá encarar. E, como sobremesa, Sêo Cosme me conta não um "causo", mas um fato do qual ele participara. Foi um Batizado Coletivo no Povoado do Pereira. Lá estavam todos: pais, padrinhos e crianças prontas para se tornarem cristãos de fato e de direito. Contou-nos Sêo Cosme que, como havia um garoto de aproximadamente 5 anos, o padre sugeriu que ele fosse o primeiro, já que estava inquieto prá caramba. Concordaram, aproximaram-se da Pia Batismal os pais e padrinhos, seguraram o moleque de barriga prá baixo, cara enfiada na Pia e o Padre começou então: "Eu te batizo..." (falou o nome do Coisinha Ruinzinha") quando, ao derramar a água na cabeça o moleque deu um jeito de se virar um pouco e com cara enfezada,  se torcendo, berrou: "Você tá moiando  minha cabeça cum essa água fria, é sêo Cabrunco?!" (!!!)... Foi isso mesmo: centésimos de segundo no mais absoluto silêncio. Depois, não deu prá aguentar. A risadaria foi geral e incontrolada. Até o Padre, acostumado ao linguajar dos marmanjos da roça, certamente não levou a sério a "reclamação" no nosso aspirante a Cristão e também riu. Fazer o quê? Obrigar o moleque a pagar uma penitência? Quem nasceu na roça, como eu, sabe da facilidade e até naturalidade com que as pessoas proferem palavras de xingamento muito pesadas e feias. Meu pai mesmo tinha um vocabulário que, certamente, Cabrunco era uma palavra leve qual uma pluma. Todos nós ficávamos apavorados quando o velho tava cuspindo "Cabruncos e Estopôs" por todos os lados. Vinha chumbo grosso. O que é que ocorre? A criança vendo e ouvindo  aquilo diuturnamente acha que é normal e aprende. Se não se conversa com o moleque, mais tarde fica difícil corrigir. É o que deve ter acontecido com nosso pequeno cristão que certamente deixou seus pais na maior saia justa. Confesso que não via a hora do trabalho de hoje se encerrar e correr para o computador e dividir com vocês mais esse Caso Verdade!

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Brasil: um País de loucos!

Êita mundão!! Meu Brasil é o País das contradições mesmo: aqui, ladrão é cassado e logo em seguida volta eleito pelo povo e é escolhido por seus "pares", presidente  da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados! Sujeito que estupra conta  bancária de um cidadão é afastado pela companheirada mas depois volta pelos votos -imbecis- do povo, é convidado a assumir a Casa Civil,  altíssimo cargo no Governo Federal, depois se descobre um monte de sujeira e, novamente, sai com o rabo entre as pernas... Pois bem: fui ao SAC renovar minha habilitação e a atendente, muito simpática, me direciona à sala apropriada, após conferir a papelada. Antes de me liberar completamente ela me pergunta se exerço "atividade remunerada" e respondo que sim. E me veio a pergunta: "Qual a diferença da habilitação de quem exerce atividade remunerada para aquele que dirige, digamos, por esporte?" E ela me informou que no meu caso eu teria de fazer Exame Psicotécnico. Concordei e concordo! Quem vai pegar um carro para dirigir pode ter nas mãos uma arma com a mesma letalidade de uma arma de fogo, por exemplo! E me veio então a pergunta derradeira e embaraçosa: "Pelas normas vigentes, um maluco, doido mesmo,  que queira dirigir por hobby pode tranquilamente conseguir uma Carteira de Habilitação?" E a resposta veio sem nenhuma segurança: "...É, vendo por essa ótica..." Não me contive e ri. Era prá chorar porque tentei fazer uma projeção estatística com a atendente da seguinte forma: sugeri que ficássemos meia hora em frente ao SAC para podermos observar quantos carros particulares e quantos  de frete/transporte passariam nesse tempo. Claro que a coitada não iria abandonar seu posto. Mas concordou que a imensa maioria seria de veículos de passeio particulares. Ou seja, poderíamos ter um percentual elevadíssimo de "malucos" ao volante. Dá prá entender nosso Brasil? Ah, ia-me esquecendo: por essa pequena diferença entre "particular" e "atividade remunerada" roubaram-me mais R$-95,00 (Noventa e cinco reais). Vou sair do emprego e comprar um chevette!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Uma excelente matéria!!


Para conhecimento e divulgação.
Jornal A Tarde  08/06/11 (MidiaPress) - Opnião - Artigos 
6) Denúncia, palavra pesada
Consuelo Novais Sampaio, Doutora em História pela The Johns Hopkins UniversityAté hoje esperei que o senhor secretário de Administração corrigisse entrevista concedida ao A TARDE, em 21 de maio p.p., convocando a população a fiscalizar e denunciar servidores públicos faltosos. Prometeu fixar listas em todas as repartições e demitir os fantasmas que congestionam as folhas de pagamento. Exceto os que pululam os gabinetes dos deputados, suponho. São poderes independentes, mas ligados por desejável harmonia; afinal, gozam da mesma fonte financeira: os impostos, cada vez mais pesados, que esmagam a todos nós. E compromissos eleitorais devem ser cumpridos, a bem da consolidação no poder.

Confiei que aquela desastrosa convocação houvesse sido feita num momento de impulso, desejo de ver a moralidade prevalecer na Bahia, Até pensei que S.Sa estivesse animado pelo êxito da "operação caça-fantasmas", deflagrada pela Corregedoria Geral, entre 2007 e 2010. Resultou numa economia de 92 milhões para o Estado da Bahia, conforme declarou. Esqueceu-se de dizer o que foi feito com tão significativo ganho. Até pensei que teria sido aplicado nas escolas públicas, no mísero salário dos seus professores. Ingenuidade.

Esqueceu-se S.Sa de que aquela bem-sucedida operação foi feita pela Corregedoria Geral? Deseja esvaziar as atribuições desse órgão? Se não, como ousa jogar o povo contra o povo, convocando-o a denunciar, palavra que, nesse contexto, degrada o ser humano? Pede à nossa gente que faça trabalho da competência do poder público? Estaria confessando a sua própria falência como gestor da administração do Estado? Confirma palavras do especialista em gestão César Souza: "Vivemos um verdadeiro apagão de líderes".

O servidor público cala, com medo de ser demitido e perder o infame salário que recebe, em gritante contraste com aqueles que lotam gabinetes do Legislativo. E preciso que S.Sa esclareça melhor a sua proposta, caso não corrija aquela desastrosa entrevista. Que compensação receberia o denunciador por sua vil ação? Benefício

financeiro? Medalha de cidadão exemplar, como aconteceu na plena vigência do nazismo? Lembre-se de que, então, filhos denunciaram país; amigos denunciaram amigos, na mais degradante das ações humanas. Tudo pela pátria, e para salvar a própria pele. Imaginou S.Sa o que poderia acontecer entre nós, onde mais de 300 mil profissionais de nível universitário aguardam colocação? Não admira que muitos desses NU hajam se submetido a concurso Reda para nível médio. Rebaixaram-se, por falta de alternativa. Em decorrência, os profissionais de nível médio foram alijados, engrossando mais ainda o nosso exército de reserva, A insatisfação é geral; perde créditos o governo que prometeu a realização de concurso público.

Ao permitir, inclusive, a denuncia anônima, sem caráter, o secretário desencadeou um verdadeiro terrorismo social, impedindo que o homem confie no seu semelhante, não tenha com quem falar, receoso de que qualquer palavra menos formal possa levá-lo à degola. Por que gerar mais medo, numa sociedade que já foi caracterizada pela alegria de viver, e agora clama por segurança? Desejamos que S.Sa cumpra o seu dever, sem esvaziar as atribuições da Corregedoria, E, desta vez, diga-nos o que será feito com o dinheiro economizado. Queremos crer que as vagas abertas não serão preenchidas por compromissos eleiçoeiros. Mas se desejar um denunciante particular, procure o exímio especialista que age furtivamente nas repartições; ele acaba de fazer com que uma das mais eficientes colaboradoras do Centro de Memória da Bahia da FPC fosse rebaixada de categoria, com sensível perda financeira. Ele supera o próprio J. Silvério dos Reis, aquele que denunciou Tiradentes, lembram-se?

Por fim, é preciso mais um esclarecimento. Qual será o livro de cabeceira do senhor secretário? O Príncipe, de Maquiavel, ou 1984, de George Orwell? Estou confusa, pois suas palavras remetem-nos aos dois, já que trazem à nossa mente os horrores de 1964. Que leia a nossa História, e lembre-se de Churchill: "Quanto mais olhar para trás, mais vai enxergar o futuro".


O Clériston está nas "ultimas"!!

"Êiiiiiiita, tá puxado!!" Não é que o Hospital Clériston Andrade voltou aos holofotes nacionais? Tudo quanto é jornal e televisão que não seja "vermelho" mostrou, de novo, as péssimas condições de atendimento daquele hospital. Até um cadáver aguardava remoção junto às várias pessoas que estavam sendo (mal) atendidas na enfermaria improvisada! Será que os "leitos" do velório estavam lotados?? Se eu acreditasse em "mandinga" diria que tem uma "cabeça de burro" enterrada por lá. O Clériston sempre prestou péssimos serviços à população. O pior é que na propaganda oficial vemos milhões de reais sendo gastos para mostrarem "o Governo faz mais para quem mais precisa!!" Será que o "mais" do Wagner é promover a situação humilhante por que passam as pessoas usuárias do sistema público de saúde no Estado? É essa a alardeada competência do Secretário Estadual de Saúde, Jorge Solla, importado do Ministério da Saúde como sendo a maior aquisição baiana para essa Pasta tão importante? Podiam, de uma fez por todas, instituir a "Eutanásia Administrativa" e aplicá-la ao crônico HGCA. Seria menos doloroso!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Se alguém se rebela...

É muita sacanagem com  o povo brasileiro: somos espoliados todos os dias, sustentamos ladrões de elite e, quando precisamos de uma coisinha básica como um simples parto, não conseguimos!! A quem esses governantes cretinos querem enganar? Onde está a Educação se querem nos dar "MENAS" chance de tê-la? E a Saúde? Ontem em Feira de Santana, mais exatamente no "matadouro" chamado Hospital Regional Clériston Andrade (coitado do homenageado!!), uma senhora prestes a dar à luz não achou vaga. As vagas existem! Eu afirmo porque trabalho na SESAB e sei das safadezas envolvendo Deputados, Vereadores, Diretores de outros órgãos públicos que, com apenas um  telefonema encontram quantas vagas forem necessárias para atenderem a seus apadrinhados. O "Zé da Silva", o "Zé Povão" sem padrinho que morra! Diante da negativa do HRCA o esposo da aludida senhora, indignado ao vê-la dando à luz ali mesmo na recepção, "chutou o pau da barraca", ou melhor, a porta de alumínio e vidro, danificando-a. Imediatamente a polícia foi acionada e o "criminoso" ouvido e posteriormente liberado. Vai responder pelo crime de "danos ao patrimônio público". "Patrimônio Público?" E o direito sagrado à vida e à assistência médica que está numa certa Constituição que foi promulgada com tanta presepada e foguetório, mas que até hoje os governantes, diuturnamente a atiram no lixo? E o direito dessa cidadã e seu rebento em serem devidamente atendidos nas suas necessidades? E os criminosos que fecham os olhos para situações como essa ocorrida em Feira de Santana e que gozam da impunidade que campeia no País? "Não há vaga", disseram. Mas foi só o cidadão se rebelar ao ver  seu filho começar a nascer como "filho de vira-lata" que a vaga surgiu. Vira-lata sim, porque é assim que todo brasileiro pagão se sente. Dá nojo.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Meu ponto de vista: Que País é esse?

Meu ponto de vista: Que País é esse?

Que País é esse?

Agosto de 2009, Alto do Itaigara, Salvador - Bahia. Horário: 09:42 AM. O fato:
estou no alto da rua Altino Seberto de Barros com o carro PARADO e não ESTACIONADO!! "Parado" porque estava sentado ao volante, aguardando a Diretora da Vigilância Sanitária da SESAB, Dra. Ita de Cássia que fora se consultar no centro médico existente nessa Transversal do Itaigara. É certo que o guarda da Transalvador não sabe a diferença entre as duas palavras. No local havia uma placa com a inscrição de proibido estacionar. Aquela com a letra "E" cortada APENAS uma vez! Avistei o veículo da Transalvador e imediatamente pus o carro em movimento indo em direção ao Posto Namorado para fazer o retorno e apanhar a minha Diretora.. Propositadamente o retorno foi realizado bem devagarinho para dar tempo de minha passageira concluir o que ali fora fazer E assim foi: quando concluí a manobra ela já estava à minha espera. Fomos para a DIVISA e depois recebo um a notificação de multa por "estacionar o veículo em locais e horários de estacionamento...??!!" Alguém conseguiu entender? Nem eu. Hoje, 07 de junho de 2011 meu antigo Coordenador de Transporte da Divisa me manda um fax com a multa em questão. Resultado: perda de 5 pontos e facada de R$127,00. O que me deixa irritado é saber que "a quem acusa cabe o ônus da prova!" Não há uma foto, e até a minha Diretora à época, poderia confirmar o que relato aqui. Por que estou escrevendo isso? Muito simples: sabemos que alguns prepostos desses órgãos de trânsito são instruídos a lavrarem multas a torto e a direito, visando um bom faturamento. Sabemos que a grande maioria dos diretores desses famigerados órgão sempre se metem em ladroagem e corrupção. O intuito nunca foi orientar e educar o cidadão. A intenção é literalmente roubar o cidadão brasileiro que se vê impotente diante de tanta esculhambação. É dessa forma que enchemos os bolsos dos ladrões do tal Metrô, é dessa forma que fazemos as contas dos tais órgãos ficarem recheadas para financiar as mordomias dos seus membros. Diante de tudo isso, só me resta dar um " viva" para  essa Republiqueta de Bordel Encantado!!!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Feira do licor

Tá cada vez mais animada e bonita a nossa Feira do Licor. O Forró Pé-de-Serra por conta do Sampainho do Acordeon estava quase perfeito: faltou aquela meia hora no palco para podermos ver e ouvir melhor. Afinal, cantar "a sêco" é de doer. Mas tudo bem, deu certo! Um problema que encontrei, se é que posso taxar de problema o fato de as licoreiras cartelizarem os preços. Poderia haver uma queda até com o intuito de se vender mais e até em grosso. Não houve: Alguns visitantes reclamaram por não poderem levar nosso produto prá ser degustado lá fora. Pena não terem percebido que vender mais certamente aumentaria a margem de lucro...!! Fica a dica então. Mas que tava bonito, isso tava!!!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

O que vamos comer hoje?

Parece brincadeira, mas não é!! Uma certa Promotora de Justiça e a ADAB (Agência  de Desenvolvimento Agropecuária do Estado da Bahia) interditaram nosso matadouro. Estavam certos: era um horror a imundície que rolava, principalmente onde tratavam as vísceras. Novamente, acertaram na interdição. O grande barato é que não apresentaram uma proposta válida como contra-partida e os "marchantes" ficaram sem saber o quê fazer e o mairiense sem saber onde comprar carne. Como disse antes, o maior problema era na área destinada ao trato das vísceras; mas a rês estava lá, presa para você ver e avaliar. Daí, a nossa carne passou a vir de Rui Barbosa e Feira de Santana. Ótimo: carne resfriada e certificada, com o famoso carimbo azul: "Brasil, inspecionado SIF)", do Ministério da Agricultura. "SIFu..." mesmo!! Nos primeiros dias, funcionou. Depois, como tudo que acontece no Brasil de "MENAS" seriedade, virou esculhambação: a carne "certificada" chegava às 11:00hs da manhã em caminhão sem baú térmico e também sem refrigeração. Eu mesmo vi uma entrega com a carne vermelho-escuro, por estar há muito tempo sem resfriamento. Mas isso não é o pior. Hoje, sem a bendita fiscalização e sem a contra-partida para os açogueiros, nossa carne vem dos pastos e moitas existentes no município, ou seja, ficou muito pior: se antes era só uma questão de higiene agora é uma questão de polícia e de vigilância sanitária! Aliás, isso existe no município? No nosso antigo matadouro a rês estava lá e qualquer pessoa podia ver e se informar quem era o "marchante" que iria abatê-la! Menos mal. Agora, vemos as camionetes passarem com os animais esquartejados e colocados em balcões resfriados e tanques de fibra de 500 litros que servem de salgadeiras. Como essa rês foi abatida, onde e por quê, ninguém sabe. Outro dia, em Capim Grosso, encontrei uma equipe da ADAB num restaurante, relatei o fato e ouvi de um deles: "estamos a par da situação". Só isso, até hoje. Como diz o Abner da novela das 7, "tá puxado!!!"

quarta-feira, 1 de junho de 2011

"Bordel" Encantado

Nos idos de 2006
A esperança se renovou
Um conterrâneo "Terra-Sêca"
A Presidência ganhou
E o País todo feliz
Qual deslumbrada meretriz
Esse "cabra" empossou.

Tudo era belezura,
Deslumbramento demais
Seu pimpolho nada tolo
Comia tudo e queria mais
Doze milhões da Telemar
E por Sessenta foi comprar
À vista, terras sem se fartar!

E vem depois o Mensalão
E o "Terra-Sêca" nada a saber
Com quatro anos mandando,
Só sabia "d'eu e d'ocê"
"Sem-Terra" com a corda frouxa
Produtor arrumando a trouxa
Sem saber o que fazer!

E pipocou Universidade
Prá esculhambar o SABER!
Gramática, Norma Culta,
Mandou tudo "se foder"
Tem "Dotô" recém formado
Que se vê aperreado
E só Dipirona a prescrever!

Nessa República de mentira
E de farta "inguinorança"
Quem aprendeu, aprendeu!
Mas... E as nossas crianças?
Vão assistir se alguém filma
A cara feia da Dilma
Nos dando "MENAS" esperança!!

Vai acabar o palavreado
Bonito, certo, correto!
Não verás  "tripa gaiteira"
No receituário escrito: Reto!
Nem o tal "Tecido Adiposo"
Que deixa bumbum vistoso
Mas gordo não gosta, é certo!

A escrita agora é prá ser
Mais torta que um corcunda
E se o sujeito está magro
É porque tá com "MENAS" bunda!
Já foi tanta putaria
Que "inté as puta ria"
Dessa administração Raimunda.

"Se lascô, Português velho!!!"
Agora é só cacofonia!
O tal  de "Orélio, Priberam"
Não terão mais serventia
Com gosto amargo de fel
Vou finalizar meu Cordel
Desse "Encantado  Bordel!!