terça-feira, 31 de maio de 2011

Eu bebi ou é verdade?

Nunca pensei que tivéssemos governantes com a intenção de levar os brasileiros (felizmente nem todos) à regressão culta! O que diriam os grandes escritores brasileiros, o que diria Darcy Ribeiro, o que diria a Professora Iracy d"Araujo Leal, Diná Leal, Iraci Pacheco, Suede, enfim, todos as pessoas que estudaram muito para poderem transmitir conteúdo gramatical de qualidade aos seus alunos e hoje se deparam com a pior das intenções do governo PT: emburrecer cada vez mais o brasileiro para, assim, tornar a tarefa de dominá-lo mais fácil, abrindo mão  da oportunidade de construir um país de pessoas com plena capacidade crítica. Não bastasse a apressa em fazer valer a tal reforma ortográfica, agora querem deixar o povo com "MENAS" chance de acompanhar a evolução mundial. E olhe que o Lula queria uma cadeira permanente na ONU! Eu li isso mesmo ou estou delirando após um domingo de porre?

O RetratoFiel!!

Meus amigos, leiam o texto a seguir e tirem suas conclusões. O Autor é o Augusto Nunes
Abraços a todos.




Assunto: FW: O caseiro do Piauí e a camareira da Guiné
 

REPASSO. REPASSEM O BRASL INTEIRO PRECISA LER. 
 




>" Nascido no Piauí, Francenildo Costa era caseiro em Brasília. Em 2006, depois de confirmar que Antonio Palocci frequentava regularmente a mansão que fingia nem conhecer, teve o sigilo bancário estuprado a mando do ministro da Fazenda.
 
> Nascida na Guiné, Nafissatou Diallo mudou-se para Nova York em 1998 e é camareira do Sofitel há três anos. Domingo passado, enquanto arrumava o apartamento em que se hospedava Dominique Strauss-Kahn, sofreu um ataque violento do diretor do FMI e candidato à presidência da França, que tentou estuprá-la.
 
> Consumado o crime em Brasília, a direção da Caixa Econômica Federal absolveu liminarmente o culpado e acusou a vítima de ter-se beneficiado de um estranho depósito no valor de R$ 30 mil. Francenildo explicou que o dinheiro fora enviado pelo pai. Por duvidar da palavra do caseiro, a Polícia Federal resolveu interrogá-lo até admitir, horas mais tarde, que o que disse desde sempre era verdade.
> Consumado o crime em Nova York, a direção do hotel chamou a polícia, que ouviu o relato de Nafissatou. Confiantes na palavra da camareira, os agentes da lei descobriram o paradeiro do hóspede suspeito e conseguiram prendê-lo dois minutos antes da decolagem do avião que o levaria para Paris ─ e para a impunidade perpétua.
> Até depor na CPI dos Bingos, Francenildo, hoje com 28 anos, não sabia quem era o homem que vira várias vezes chegando de carro à “República de Ribeirão Preto”. Informado de que se tratava do ministro da Fazenda, esperou sem medo a hora de confirmar na Justiça o que dissera no Congresso. Nunca foi chamado para detalhar o que testemunhou. Na sessão do Supremo Tribunal Federal que examinou o caso, ele se ofereceu para falar. Os juízes se dispensaram de ouvi-lo. Decidiram que Palocci não mentiu e que as contundentes provas do estupro eram insuficientes para a aceitação da denúncia.
> Depois da captura de Strauss, a camareira foi levada à polícia para fazer o reconhecimento formal do agressor. Só então descobriu que o estuprador é uma celebridade internacional. A irmã que a acompanhava assustou-se. Nafissatou, muçulmana de 32 anos, disse que acreditava na Justiça americana. Sempre jurando que tudo não passara de sexo consensual, o acusado foi soterrado pela montanha de evidências e, depois de trocar o terno pelo uniforme de prisioneiro, recolhido a uma cela.
> Nesta quinta-feira, Francenildo completou cinco anos sem emprego fixo. Até agora, ninguém se atreveu a garantir a estabilidade financeira do caseiro que ousou contar um caso como o caso foi. No mesmo dia,  Palocci completou cinco dias de silêncio: perdeu a voz no domingo, quando o país soube do milagre da multiplicação do patrimônio. Pela terceira vez em oito anos, está de volta ao noticiário político-policial.
> Enquanto se recupera do trauma, a camareira foi confortada por um comunicado da direção do hotel: “Estamos completamente satisfeitos com seu trabalho e seu comportamento”, diz um trecho. Estimuladas pelo exemplo da imigrante africana, outras mulheres confirmaram que a divindade do mundo financeiro é um reincidente impune. Nesta sexta-feira, depois de cinco noites num catre, Strauss pagou a fiança de 1 milhão de dólares para responder ao processo em prisão domiciliar. Até o julgamento, terá de usar uma tornozeleira eletrônica.
> Livre de complicações judiciais, Palocci elegeu-se deputado, caiu nas graças de Dilma Rousseff e há quatro meses, na chefia da Casa Civil, faz e desfaz como primeiro-ministro. Atropelado pela descoberta de que andou ganhando pilhas de dinheiro como traficante de influência, tenta manter o emprego. Talvez consiga: desde 2003, não existe pecado do lado de baixo do equador. O Brasil dos delinquentes cinco estrelas é um convite à reincidência.
> Enlaçado pelo braço da Justiça, Strauss renunciou à direção do FMI, sepultou o projeto presidencial e é forte candidato a uma longa temporada na gaiola. Descobriu tardiamente que, nos Estados Unidos, todos são iguais perante a lei. Não há diferenças entre o hóspede do apartamento de 3 mil dólares por dia e a imigrante africana incumbida de arrumá-lo.
> Altos Companheiros do PT, esse viveiro de gigolôs da miséria, recitam de meia em meia hora que o Grande Satã ianque é o retrato acabado do triunfo dos poderosos sobre os oprimidos. Lugar de pobre que sonha com o paraíso é o Brasil que Lula inventou. Colocados lado a lado, o caseiro do Piauí e a camareira da Guiné gritam o contrário.
> Se tentasse fazer lá o que faz aqui, Palocci não teria ido além do primeiro item do prontuário. Se escolhesse o País do Carnaval  para fazer o que fez nos Estados Unidos, Strauss só se arriscaria a ser convidado para comandar o Banco Central. O azar de Francenildo foi não ter tentado a vida em Nova York. A sorte de Nassifatou foi ter escapado de viver num Brasil que absolve o criminoso reincidente e castiga quem comete o pecado da honestidade.
Augusto Nunes"
Alguém ainda duvida que devemos banir esses picaretas do cenário político do nosso País? Eu não!!

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Festival de Música

Até que enfim!! Antes tarde do que mais tarde ainda! Quero convidar aos senhores compositores e músicos para participarem do 1º Festival de Música de Mairi. A princípio, estamos eu e Elineuza, (http://culturamairi.blogspot.com/) tentando realizar a finalíssima no mês de agosto, no dia do aniversário da cidade. Se por um desses acasos ordinários não pudermos realizar o festival em agosto transferiremos para setembro, época em que acontecem as festividades da nossa Padroeira.  O primeiro evento sempre é mais difícil. Mas a competência da Elineuza e a ajuda de companheiros que estão dando idéias proveitosas, certamente nos ajudarão a realizar um grande evento. De minha parte pretendo convidar Cleber Viana (www.casadosvioleiros.com), professor e  fera da Viola Caipira, o Júnior, mineiro radicado em Capim Grosso que além da Viola Caipira toca violoncelo, pretendo também convencer meu amigo violeiro Zé de Marotinho a fazer seu retorno à música e essa será uma grande oportunidade. A gente espera fazer um festival muito legal. Portanto, fica aí o convite e aguardamos sugestões.

Futebol Arte!

Contam os mais velhos que nos idos de 1960, em Serrolândia, com o bi-campeonato da nossa seleção, todo mundo se arvorava de jogador. Com "Jão de Maria" não foi diferente: Beque Central era sua especialidade. Medindo quase 2 metros, nêgo troncudo igual a um armário, não havia quem chutasse a bola mais alto que ele. Nosso Oscar inventou o Jornada nas Estrelas certamente baseado nas informações recebidas do nosso velho craque. Se o Oscar aplicava o seu Jornada, "Jão de Maria" certamente enviava a bola para fora da órbita da Terra. Sempre que o time dele estava ganhando os colegas e o treinador clamavam: "Jão, chuta...Chuta pá riba, chuta pá riba, Jão!" E o vento das 4 da tarde ajudava. Nosso craque, quando algum companheiro atrasava-lhe a bola "pingando", tomava posição: "fastava prá trás, enchia os peito de vento, arregalava o narigão e... pagadá, pagadá, pagadá, tufffff!" Chutava com tanta violência que a bola sumia nas nuvens e o vento se encarregava de fazer o resto: a "couraça" desaparecia. Como naquela época era difícil achar uma equipe que tivesse duas bolas, o juiz não tinha outra alternativa senão dar a partida por encerrada. E a molecada tinha uma semana de ansiedade pela frente: quem achasse a bola era dono. Até hoje nunca ninguém achou, segundo Tunico.

Uma vela prá Deus... E outra pro diabo!!.

É lamentável que governantes queiram a todo custo se manter no poder! Já virou "ladaínha" a história da instalação do SAMU em Jacobina. Há muitos meses atrás foi liberada uma parcela para início da construção da UPA - Unidade de Pronto Atendimento - e a prefeita sequer apresentou um projeto. Capim Grosso, que bem depois se candidatou a receber tal benefício já está com sua unidade quase pronta. Morro do Chapéu, idem. Já fizeram protesto, reuniões, discussões e nada. Chegaram a enviar duas ambulâncias padronizadas que a prefeita deverá usar como ambulâncias comuns. O que não pode. Por várias vezes a gestora municipal declarou que não tinha interesse em instalar o SAMU Regional. E o Governo do Estado continua insistindo, quase que  obrigando a tal instalação da unidade em Jacobina. Está claro que Leopoldo, dono de um dos hospitais da cidade e "cacique" da prefeitura não permitirá a vinda do SAMU! Não foi à toa que a prefeita fechou vários PSF's no município. Também não é à toa essa insistência do PT: e os planos de ficar 50 anos no poder? Vejam a eleição passada: Lula apoiando Geddel e Wagner! Os dois últimos só faltaram sair no tapa. ACM certamente jamais subiria em palanque que não fosse da sua coligação. E nisso ele era autêntico: amigo é amigo, inimigo é inimigo mesmo! Com interesse que certamente não é o bem estar do povo de Jacobina, Wagner quer a todo custo fazer uma aliança com Waldice. Ora, quantos municípios não gostariam de sediar o SAMU Regional? Mairi, por exemplo, se tivesse prefeito, seria uma alternativa boa visto que conta com um grande hospital que poderia abraçar a demanda da região. E já o faz hoje. Meio capengando mas é a salvação de São José do Jacuípe, Várzea da Roça, Tapiramutá e outros tantos. Não quer o SAMU? Pois bem: devolva o dinheiro liberado e vamos efetivamente instalar onde há interesse. Burrice da prefeita e negligência do governador e do Ministério da Saúde, fonte da tal verba.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Essa Gramática...

Como gosto de "causos", aqui vai um que meu colega da 16ª Dires (Jacobina) Tunico me contou e jurou ter conhecido a quase vítima. Sêo Vicente, vaqueiro de uma fazenda  do município de Serrolândia, era um daqueles caboclos da roça, estatura "não muito favorável", por assim dizer, meio "amarelinho", segundo os padrões da roça  mas que era tarado por abôios. Não podia ver uma venda que mandava goela abaixo umas pingas e partia pros abôios. Os filhos do fazendeiro, que estudavam em Salvador, adoravam vir prá roça e pagar uns goles pro nosso herói e se lascavam de rir. Sêo Vicente empolgado pela "deferência" com a qual era tratado, se aprumava na pose: dedo no ouvido, como todo bom cantor sertanejo mascarado, mandava ver: "Ôooooooo
ô boiada braaaaaaba, vem fazendo um poeirão,  na berada da estraaaaaaaada..." e sempre tinha outro prá responder. A galera já sabia: pagava umas pingas e Sêo Vicente largava o abôio. Outro dia, carecendo de consultar  um Doutor mais apurado, os filhos do fazenderam o convenceram a ir a Salvador. Aceitou mas não sem antes reclamar por se sentir arreliado: "Ôme, qué q'eu vô fazê lá? Aqui tombém num tem médico? Quem vai dá água aos bicho... E as pranta, quem móia?" Tudo desculpa. Na fazenda tinha gente de sobra prá fazer tudo isso. Embarcaram na sexta e conseguiram consulta para a segunda. Aí, um dos meninos, teve a idéia, digamos, sacana,  de levar Sêo Vicente na Ilha de Itaparica. Seria interessante: o matuto conheceria o mar, faria a travessia de Ferry-Boat e conheceria a tão famosa ilha. Tudo, na verdade, era imaginando a sacanagem que aprontariam com o coitado. Meio desconfiado Sêo Vicente subiu para o convés do Ferry e por alguns instantes ficou sisudo. Assustou-se um pouco com o "buzinão" avisando da partida. Depois de uns dez minutos ele já se sentia mais à vontade. Foi a deixa prá galera o convidar prá tomar uma. E ele duvidou que houvesse um bar "nesse barcão". Desceram, tomaram umas quatro ou cinco e, de sacanagem, um deles pede: "Sêo Vicente, mostre pr'essa gente besta que o senhor sabe aboiar bonito!" "Será?" "Ande homem, mostre a eles que o senhor é um tabaréu retado!!" Sêo Vicente pigarreou uma, duas vezes, imitou o cantor sertanejo mascarado, e lascou um abôio de improviso: "Ôooooooooooo, Ôoooooooooooo Ôooooooooooooo boiaaaaaaada! Eu vim lá da Serrolââââândia, Prá cunhecê Savadooooooor, hoje meu abôio é triste pois vim percurá dotôôôôôôô, êêêêeaaa!" E foi sucesso absoluto: palmas que não acabavam mais. Sêo vicente já sob influência da "mardita" não queria parar de aboiar: vinha um dava um mote, outro uma sugestão com o nome da namorada, até rima com casal gay Sêo Vicente fez!! Sucesso de público mas não de renda, infelizmente. Após algum tempo saíram do bar, andaram pelo Ferry e os amigos a mostrar os equipamentos do barco, explicações mil, etc. No burburinho da atracação, Sêo Vicente cai na água: "Homem ao mar, homem ao mar!!!" gritam alguns. O problema era que Sêo Vicente não sabia nadar, apesar dos rios e cacimbas que conhecia! Jogaram a bóia e desesperados todos gritam: "A BÓIA... A BÓIA...!" Sêo Vicente já tava engolindo uns goles de água "sargada" como ele mesmo dissera depois. E o povo a gritar, depois que jogaram a bendita bóia: A BÓIA... A BÓIA..."  "Graças a Deus ele segurou", observou alguém. Mas, Sêo Vicente, que não nega fogo, ao ouvir "A BÓIA...A BÓIA". Não se fez de rogado: tirou o braço da bóia, fez a pose de sertanejo mascarado, bebendo água novamente, largou: "Tô morreno afogaaaaaado, mim ajude pelo amor de Deeeeeus..."  "Tem jeito não: vamos pular na água". E foi assim que salvaram nosso herói. Já no barco após o susto, Sêo Vicente ainda pergunta: "Pegaram meu chapéu de couro? Sem meu chapéu me acho igualzinho a um homem nu!!" O certo, segundo Tunico, é que esbravejou até a hora de ser embarcado de volta  no ônibus da linha Salvador/Serrolândia, via Mairi, na terça-feira ao meio dia.

Explorando a fé

Foi lastimável!!! Estava ontem numa praça de Juazeiro (BA) sob uma sombra salvadora e, coincidentemente, nessa praça funciona um Ponto de Taxi. O banquinho fica próximo à calçada e, aproveitando a sombra, um senhor de mais ou menos 60 anos, sentado no seu taxi, porta aberta, conversando com uma senhora que deduzi ser sua conhecida, visto a forma amigável e descontraída com que se tratavam. A senhora, evangélica ferrenha, mostra-lhe uma papel (possivelmente uma mensagem) e diz pro senhor que lhe trará uma cópia prá que seja colocada no seu carro. E garantiu que ele ficaria livre dos ladrões (!!!). Quisera eu isso fosse realmente  verdade. E contou que um casal estava noutra praça de Juazeiro, dentro do carro, quando foi rendido e o meliante levou o veículo sem causar maiores males às vítimas. Segundo ela, convicta que só, quando o assaltante se encontrou com os comparsas o suposto "chefe" reparou num papel (possivelmente igual ao que ela mostrara ao taxista), argumentou: "Esse carro é de crente! Esse carro tá protegido! Num reparou nisso não?" e, segundo ela, o "chefe" apontou para o papel no painel e obrigou o primeiro assaltante a voltar na mesma praça onde acontecera o assalto e devolver o carro. O mais espetacular é que, segundo ela, as vítimas estavam lá, certas de que o carro seria devolvido!!! Meu Deus, será que não há como interferir nessas picaretagens e proteger pessoas como essa senhora que, pelo visto, acredita, dentre outras coisas, que o PT é sério!! Fala sério!!

A maravilhosa Net

Há quem ache a internet arriscada, fútil, maravilhosa, sensacional, etc. E todos têm razão: depende do uso que se dá a essa ferramenta importantíssima. Graças a ela o mundo está "na nossa frente" 24 horas por dia. O legal é que, através das ferramentas disponíveis pela internet, e-mails e blogs, por exemplo, cidadão pode, em tempo real, enviar uma foto, vídeo ou texto  para qualquer parte do mundo. É preciso, porém, cautela ao
postar um comentário, enviar uma foto ou vídeo, porque, ao teclar "Enter", já foi! Ninguém conseguirá voltar atrás. Portanto, com a criação do meu blog, espero informar visual e textualmente a você que me acompanha. Seja bem vindo, portanto.